ONU afirma estar “profundamente preocupada” com crise diplomática com o Qatar

 

Nações Unidas, 23 Jun (Inforpress) – A ONU afirmou hoje estar “profundamente preocupada” com a crise diplomática com o Qatar, após a divulgação de uma lista de exigências por parte dos vários países árabes que cortaram relações com Doha no início de Junho.

“Seguimos a situação com profunda preocupação. (…) Esperamos que os países envolvidos resolvam a situação através do diálogo”, afirmou a porta-voz adjunta do secretário-geral das Nações Unidas, Eri Kaneko, numa conferência de imprensa.

As declarações da representante da ONU ocorrem horas depois da Arábia Saudita, Egipto, Bahrein e Emirados Árabes Unidos terem enviado ao Qatar uma lista de exigências para iniciar um diálogo e para pôr fim à crise diplomática que teve início no passado dia 05 de Junho.

Numa lista de 13 pontos – apresentada ao Qatar pelo Kuwait, que está a ajudar a mediar a crise -, os países exigiram o encerramento da televisão Al-Jazira, de uma base militar da Turquia no Qatar e uma redução das ligações diplomáticas com o Irão.

Os quatro países exigiram ainda que Doha corte quaisquer contactos com a Irmandade Muçulmana e com outros grupos fundamentalistas islâmicos como o xiita Hezbollah, a Al-Qaida e o Estado Islâmico.

A lista foi avançada pela agência noticiosa norte-americana Associated Press (AP), que obteve uma cópia da lista, em árabe, de um dos países envolvidos no conflito.

Os quatro países árabes deram dez dias ao Qatar para cumprir as exigências apresentadas, incluindo uma soma não especificada em compensações.

Eri Kaneko referiu que a situação entre estes países “chegou a uma fase muito séria” e assinalou que as Nações Unidas tiveram conhecimento da lista, mas que ainda não conseguiram confirmar a sua existência.

A porta-voz salientou que o secretário-geral da ONU, António Guterres, apoia a ideia de um diálogo regional liderada pelo Kuwait, posição que o próprio manifestou na terça-feira, e acrescentou que a organização “não poupará esforços para encontrar uma solução diplomática”.

“Estamos disponíveis para ajudar, se as partes o pedirem, e qualquer resolução ou base para o diálogo deve respeitar o Direito internacional”, concluiu a porta-voz adjunta.

A 05 de Junho, Arábia Saudita, Egipto, Emirados Árabes Unidos e Bahrein cortaram relações diplomáticas com o Qatar, que acusaram de apoio ao terrorismo, na mais grave crise regional desde a guerra do Golfo de 1991.

O Qatar nega todas as acusações, mas as autoridades de Doha afirmaram estar abertas para negociar e não avançaram com retaliações contra os cidadãos dos países árabes envolvidos na crise.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
[wd_asp elements='search' ratio='100%' id=2]
    • Categorias

  • Galeria de Fotos