OMS disponibiliza recursos e vacinas para combater Ébola na Guiné-Conacri

Conacri, 14 Fev (Inforpress) – A Organização Mundial da Saúde (OMS) vai disponibilizar recursos, incluindo doses de vacinas, para ajudar a combater o ressurgimento da epidemia de Ébola na Guiné-Conacri, anunciou hoje o representante da ONU neste país.

“Implantaremos rapidamente as capacidades necessárias para apoiar a Guiné, que já tem uma grande experiência”, afirmou o professor Alfred George Ki-Zerbo à comunicação social após uma reunião com as autoridades de saúde do país, onde já foram confirmadas três mortes e sete casos de infecção pelo vírus Ébola.

“Há um maior arsenal e devemos aproveitá-lo para conter essa situação o mais rápido possível”, defendeu, acrescentando que a OMS está atenta e em contacto com o fabricante da vacina, para que “as doses sejam disponibilizadas o mais rápido possível”.

O vírus Ébola causa febre repentina, dores de cabeça, vómitos e diarreia e foram desenvolvidas duas vacinas para o combater, mas até agora não há tratamento para a doença.

A OMS expressou hoje a sua preocupação com o provável ressurgimento do Ébola na Guiné-Conacri, país que esteve na origem, no final de 2013, de um surto do vírus na África Ocidental que fez pelo menos 11.300 mortes, o maior da história desta epidemia.

O director regional da OMS para a África, Matshidiso Moeti, expressou também hoje preocupação e informou, através da rede social Twitter, que aquele organismo “está a acelerar os esforços de preparação e resposta para o potencial ressurgimento do Ébola na África Ocidental”.

No sábado, o Governo da Guiné-Conacri tornou público que as primeiras análises com amostras de casos suspeitos detectados no sudeste do país deram positivo para o Ébola.

Também na República Democrática do Congo foram confirmados três novos casos de um novo surto de Ébola no nordeste do país.

O vírus Ébola foi identificado pela primeira vez em 1976 no antigo Zaire, actual República Democrática do Congo.

A doença é transmitida pelo contacto directo com o sangue e fluidos corporais de pessoas ou animais infectados e pode atingir uma taxa de mortalidade de 90%.

Em 2013 foi detectada uma vaga na Guiné-Conacri, considerada das mais graves, que se propagou à Libéria, Serra Leoa e a outros dez países, incluindo Espanha e Estados Unidos, causando cerca de 11.300 mortos e 28.600 casos até 2016.

Inforpress/Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos