Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Óbito: Milhares participam no último adeus ao presidente José Alves Fernandes

Assomada, 27 Dez (Inforpress) – Milhares de pessoas, sobretudo santa-catarinenses, participaram hoje no funeral do presidente da Câmara Municipal de Santa Catarina, José Alves Fernandes, falecido na última quinta-feira, aos 44 anos, num momento marcado de muita consternação e choro de todos.

A Praça Central, a Igreja Nossa de Fátima, a residência do malogrado e, depois, o cemitério de Nhagar, em Assomada, Santa Catarina, foram pequenos para milhares de pessoas que quiserem assistir à última despedida do ex-autarca que era carinhosamente chamado de Beto Alves.

As cerimónias fúnebres contaram com as presenças do primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, do Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, de vários membros do Governo, autarcas da ilha de Santiago e o presidente da Câmara Municipal de Santa Catarina do Fogo, Alberto Nunes, deputados nacionais, a presidente do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV, oposição), Janira Hopffer Almada, e vários outros políticos.

Depois de o corpo ter sido velado nos Paços do Concelho, da homenagem na Praça Central, que contou com as intervenções dos presidentes da câmara e assembleia, Jassira Monteiro e Eurico da Moura, respectivamente, e do primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, e da missa de corpo presente na Igreja de Nossa Senhora de Fátima, a urna foi colocada num carro e seguiu-se para a residência do falecido e depois percorreu, em marcha lenta, as ruas da cidade de Assomada até ao cemitério de Nhagar.

No cemitério, o momento era de muita consternação, dor e de choro, e muitas das pessoas estavam vestidas com t-shirt onde se podia ler: “Beto Alves bu ta fica sempre na nos kurason” (em português: “Beto Alves ficarás para sempre no coração”).

Incrédulos, os santa-catarinenses continuam a chorar a morte deste que consideravam ser uma “boa pessoa, melhor presidente, homem que resgatou o orgulho de ser santa-catarinense, honesto, calmo e tranquilo”.

A câmara de Santa Catarina decidiu decretar três dias de luto municipal, em “homenagem e memória” do presidente José Alves Fernandes, iniciado na sexta-feira.

José Alves Fernandes, 44 anos, encontrava-se nos cuidados intensivos do hospital central da Praia, depois de ter sido transferido do Hospital Regional Santa Rita Vieira, de Santa Catarina.

Na terça-feira, o director clínico do HAN, tinha considerado que o autarca se encontrava num estado “muito crítico”, correndo risco de vida, mas que os serviços hospitalares estariam a trabalhar na tentativa de “reverter esta situação muito preocupante”.

O presidente da câmara de Santa Catarina, confirmou o clínico, sofreu uma lesão por uma arma de fogo na região temporal esquerda, que lhe causou um “traumatismo crânio encefálico grave” e que, tudo indica, segundo sinais observados, que “o disparo teria sido feito a uma muita curta distância”.

A Tomografia Axial Computorizada (TAC) realizada na clínica privada Cardiomed, segundo avançou Victor Costa, “confirmou essa lesão por arma de fogo com fracturas e também com lesões intraparentematoso, portanto a nível do cérebro, com hemorragias que se transforma numa situação muito reservada e prognóstico muito reservada para vida do paciente”.

A Polícia Judiciária (PJ), por seu lado, em comunicado de imprensa, apontou para indícios de tentativa de suicídio, após as diligências preliminares e informações recolhidas no local, prometendo, entretanto, prosseguir com as averiguações.

Nascido na localidade dos Engenhos, Santa Catarina, Beto Alves, de 44 anos de idade, residia em Achada Riba, cidade de Assomada e antes de entrar nas lides políticas era professor e formador.

Licenciado em Ciência Política (ramo de Estado e Administração Pública) pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias de Lisboa, com pós-graduação em Direito das Autarquias Locais, foi director de Saneamento e Fiscalização, bem como director do Ambiente e Saneamento, durante o mandato de Francisco Tavares de 2008 -2012.

De 2012 a 2016 exerceu as funções de vereador do Pelouro da Água, Energia, Ambiente, Saneamento e Protecção Civil, acumulando ainda as funções de presidente do conselho de administração do extinto Serviço Autónomo de Água e Saneamento de Santa Catarina (SAAS).

Em 2016 foi eleito presidente da Câmara Municipal de Santa Catarina, tendo renovado o mandato nas últimas eleições de 25 de Outubro pelas listas do Movimento para a Democracia (MpD).

FM/DR

Inforpress/Fim

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos