Número de vítimas de tráfico humano na África subsaariana diminuiu – ONU

Nações Unidas, 24 Jan (Inforpress) – O número de vítimas de tráfico humano detectados na África subsaariana diminuiu ligeiramente em 12% entre 2019 e 2020, refere o Relatório Global sobre Tráfico de Pessoas das Nações Unidas, relativo a 2022 e hoje divulgado.

Segundo o documento, elaborado pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC, na sigla em inglês), as crianças continuam a representar a maioria das vítimas detectadas e se a elas se juntar as mulheres, o total de vítimas destes dois grupos populacionais traficados na África subsaariana é de 62%.

“Entre 2019 e 2020, a taxa de vítimas infantis por 1.000.000 habitantes aumentou 43%”, todavia, detalha o relatório, “são detectadas menos vítimas por 100.000 habitantes do que noutras partes do mundo”.

“Embora a exploração sexual seja historicamente uma forma de exploração noutras regiões que registam maioria de vítimas do sexo feminino, o trabalho forçado continua a ser a forma mais comum de tráfico detectada na África subsaariana, particularmente nos países da África Oriental, em que o tráfico para trabalho forçado representou 80% da forma de exploração para o total de vítimas registado em 2020”, aponta o relatório.

Em comparação com outras regiões de tráfico transfronteiriço, as vítimas da África subsaariana são detectadas num número crescente de países, tanto dentro como fora da região de origem.

Segundo o relatório, 85% das vítimas detectadas em 2020 foram traficadas domesticamente e nas situações em que foram detectadas vítimas estrangeiras, a maioria era traficada dentro da região de outros países da África subsaariana, particularmente de países da África Oriental e Austral.

“Os relativamente poucos fluxos de longa distância para a África subsaariana são originários principalmente do sul e leste da Ásia. No entanto, os fluxos da África subsaariana são muito mais variados e extensos. A maioria que é traficada fora da região é detectada em países do norte de África e do Médio Oriente Médio e na Europa”, destaca o documento.

Embora os homens representem a parcela dominante dos traficantes acusados na África subsaariana, as mulheres são condenadas numa grande proporção (44%).

“Em 2020, em cada dez pessoas acusadas, duas eram mulheres. Ainda, no mesmo período, por cada dez pessoas condenadas, quatro eram mulheres”, detalha.

No texto de apresentação do relatório, a directora-executiva do UNODC, Ghada Waly explica que o documento, que vai na sua sétima edição, “visa chamar a atenção para um problema partilhado e impulsionar a acção contra esse crime, fornecendo aos atores políticos e profissionais as informações e análises que necessitam para ajustar respostas e melhorar a prevenção”.

“Pela primeira vez, o relatório também apresenta contribuições de jovens académicos como parte dos esforços do UNODC para apoiar a próxima geração de investigadores e construir novas ligações para apoiar soluções eficazes”, acrescenta.

Ghada Wally vinca que não se pode permitir que um “crime imoral” como é o tráfico humano “seja encarado com indiferença e impunidade”.

“Aproveitemos esta oportunidade para redobrar o nosso compromisso e juntar comunidades e governos, forças da autoridade, saúde e serviços sociais, escolas, sociedade civil, universidades, ONU e todos os parceiros para fortalecer a resiliência contra a exploração e acabar com o tráfico de pessoas de uma vez por todas”, conclui.

Inforpress/Lusa

Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos