Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Número de mortos devido ao ébola na RDCongo aumenta para 170 até domingo

Kinshasa, 29 Out (Inforpress) – O número de mortos por contágio do vírus ébola na República Democrática do Congo (RDCongo) aumentou para 170 desde a declaração da epidemia, a 01 de Agosto, até domingo passado, indicou hoje o Ministério da Saúde congolês.

Desde o último relatório, em 21 de Outubro, mais 15 pessoas, maioritariamente em Beni e Mabalako, não resistiram ao ébola, nas províncias de Norte Kivu e Ituri, a leste da RDCongo.

Neste período de oito dias, de acordo com monitorização do Ministério da Saúde da RDCongo e da Organização Mundial de Saúde (OMS), registou-se também um acréscimo dos casos de contágio, de 238 para 267 (dos quais 232 confirmados).

Apesar de manter-se desde Agosto a tendência de crescimento de diagnósticos e mortes, a OMS decidiu não declarar estado de emergência de saúde pública internacional na região leste da RD Congo, que tem fronteiras com Uganda, Ruanda, Burundi e Tanzânia.

A epidemia de ébola foi declarada em Mangina, estendendo-se até Beni, baluarte do grupo armado ADF (Forças Democráticas Aliadas), que multiplicou os ataques contra civis, complicando a resposta sanitária.

“A avaliação do risco de propagação é baixa a nível global, mas é muito alta, tanto a nível nacional [na RDCongo], como regional. Não houve alteração na avaliação de risco desde 28 de Setembro”, considerou o Comité de Emergência da OMS, que reuniu de urgência em 17 de Outubro, em Genebra, na Suíça.

Desde 01 de Agosto, 104 pessoas morreram na sequência do contágio em Beni e 92 em Mabalako, a maioria nos grupos etários de 35 a 44 anos nos homens e de 15 a 24 nas mulheres.

A pior epidemia de ébola na história atingiu a África Ocidental entre o final de 2013 e 2016, causando mais de 11.300 mortos em 29.000 casos sinalizados, mais de 99% na Guiné, Libéria, Nigéria e Serra Leoa.

A OMS foi então fortemente criticada pela resposta lenta.

Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos