Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Número de jornalistas detidos este ano atingiu novo recorde – CPJ

Nova Iorque, 09 Dez (Inforpress) – O total de jornalistas detidos no exercício da profissão atingiu este ano um novo recorde, denunciou hoje o Comité para a Protecção de Jornalistas (CPJ), com a China a registar o maior número de presos pelo terceiro ano consecutivo.

O relatório anual do Comité para a Protecção de Jornalistas dá conta de 293 jornalistas presos, 50 dos quais na China, com a particularidade de, pela primeira vez, haver vários também em Hong Kong, incluindo o magnata da imprensa Jimmy Lai, em resultado da lei da segurança nacional imposta por Pequim ao território, no ano passado.

Este é o número mais elevado de jornalistas presos em todo o mundo desde que o organismo, sediado em Nova Iorque, começou a recolher dados estatísticos, no início da década de 1990.

Myanmar (antiga Birmânia), ausente da lista há um ano, foi catapultado para o segundo lugar, após o golpe militar de 01 de Fevereiro e a perseguição aos meios de comunicação independentes, com 26 pessoas detidas identificadas como jornalistas, embora a situação “seja pior do que este total sugere”, apontou o CPJ.

Entre os Estados que mais jornalistas prendem estão o Egipto (25), Vietname (23), Bielorrússia (19), Turquia (18), Eritreia (16), Arábia Saudita (14), Rússia (14), Irão (11) e Etiópia (nove).

O CPJ destaca o caso da Bielorrússia, com o maior número de jornalistas presos desde o início da recolha de dados, em 1992, citando as “medidas extremas” tomadas pelo Presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, para deter o jornalista Roman Protasevich, com o desvio de um avião, em Maio último.

A Etiópia, a braços com a guerra civil entre as forças governamentais e a Frente de Libertação do Povo Tigray, também é motivo de preocupação, sofrendo este ano o “maior revés” da liberdade de imprensa na África subsaariana, com nove jornalistas detidos.

Na América Latina, há um total de seis jornalistas presos – três em Cuba, dois na Nicarágua e um no Brasil -, um número “relativamente baixo”, disse a organização, advertindo no entanto para o “declínio perturbador da liberdade de imprensa na região”.

O CPJ sublinhou que, nos últimos seis anos, o total de detidos não desceu dos 250, reflectindo uma “crescente intolerância à informação independente” e uma maior tendência para os líderes autocráticos “ignorarem o processo legal” e “desprezarem as normas internacionais, para se manterem no poder”.

Além disso, devido à preocupação global com a pandemia de covid-19 e as alterações climáticas, “os governos repressivos estão claramente conscientes de que a indignação pública por violações dos direitos humanos é amortecida e que os governos democráticos têm menos apetite para represálias políticas ou económicas”, apontou ainda a organização.

No encerramento do censo anual do CPJ, não havia jornalistas presos na América do Norte, embora o organismo tenha compilado 56 detenções de jornalistas nos EUA ao longo deste ano, 86% em protestos, e dois no Canadá, também em manifestações.

A nível mundial, 24 repórteres foram mortos este ano no exercício da profissão, tendo mais 18 morrido em circunstâncias “demasiado opacas para determinar se eram visados”.

A Índia tem o maior número de jornalistas assassinados (quatro), seguindo-se o México, com três.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos