Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Novo programa do Banco Mundial para Cabo Verde aposta no reforço da resiliência

 

Cidade da Praia, 08 Mai (Inforpress) – O novo programa de apoio de 82 milhões de euros do Banco Mundial a Cabo Verde, a aplicar nos próximos três anos, irá centrar-se no reforço da resiliência, prevendo linhas de crédito para resposta imediata a catástrofes.

Em entrevista à agência Lusa por telefone, a partir do Senegal, Louise Cord, responsável do Banco Mundial para Cabo Verde, adiantou que, nos próximos três anos, a instituição terá 90 milhões de dólares (82 milhões de euros) para gastar em Cabo Verde.

Este valor representa um aumento de 110% em relação aos 43 milhões de dólares (39 milhões de euros) do programa anterior, que se centrou na promoção do crescimento económico, através do financiamento a projetos de infraestruturação, transportes e turismo.

O novo ciclo de financiamento será assegurado pela International Development Association (IDA), uma das estruturas de crédito do Banco Mundial, e coincide com uma nova estratégia da instituição para Cabo Verde.

“Com o novo programa vamos continuar a trabalhar no crescimento, mas vamos focar-nos também na resiliência com uma linha de crédito que o país pode usar em caso de uma nova erupção vulcânica ou se for atingido por uma grande tempestade”, disse Louise Cord.

“Vamos ainda centrar-nos na proteção social, para desenvolver uma rede de segurança para as populações. Uma grande componente do programa é reforçar a resiliência”, acrescentou.

O programa irá apoiar também a promoção do crescimento económico numa perspetiva de médio e longo prazo e de uma economia orientada para os serviços.

“Vamos ter um projeto para a educação e apoio para as pequenas e médias empresas em matéria de financiamento. A ideia é antecipar os riscos da economia, mas também ajudar o país a tirar benefícios da sua juventude e a promover uma mudança para o setor dos serviços”, explicou.

Uma terceira vertente do programa visa apoiar a reformas económicas, nomeadamente através do apoio e financiamento da reestruturação das empresas públicas, e cimentar o papel do setor privado.

De acordo com Louise Cord, os fundos estarão disponíveis a partir de julho, mas a estratégia que enquadra o novo programa de financiamento só começará a ser implementada no próximo ano.

“Estamos a adiantar-nos à estratégia. Não vamos assinar um programa global, vamos assinar e emprestar dinheiro para projetos específicos”, disse.

O primeiro desses projetos deverá ser a reestruturação da companhia aérea TACV, em cujo plano o Governo está a trabalhar com o apoio técnico do Banco Mundial.

Sobre o aumento dos fundos disponibilizados, Louise Cord, adiantou que o programa global de financiamento da IDA aumentou e Cabo Verde foi um dos países que beneficiou desse crescimento.

“Este programa tem como prioridade ajudar os pequenos estados com baixo rendimento e boa governação. Cabo Verde como um país com boa governação beneficiou de um grande aumento”, disse Louise Cord.

A IDA é uma instituição do Banco Mundial de ajuda aos países pobres através de empréstimos e de programas de promoção do crescimento económico, redução das igualdades e melhoria das condições de vida das populações.

Os empréstimos são concessionais, com taxas de juro de zero ou muito baixas, prazos de pagamento entre 25 e 40 anos e períodos de carência entre 5 a 10 anos.

Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos