Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Novo ano lectivo arranca hoje com a retoma de aulas presenciais após um ano e meio de suspensão

Cidade da Praia, 13 Set (Inforpress) – O ano lectivo 2021/2022 em Cabo Verde arranca hoje com aproximadamente 130 mil alunos e seis mil professores em regime presencial e com carga horária completa após um ano e meio de suspensão devido à pandemia da covid-19.

De acordo com as informações avançadas pelo ministro da Educação, Amadeu Cruz, cerca de 130 mil alunos e seis mil professores que regressam às aulas com carga horária completa estão inscritos no pré-escolar e nos ensinos básico e secundário e com a possibilidade de aulas no ensino básico aos sábados, para recuperar atrasos na aprendizagem devido à pandemia.

“Destes 130 mil, cerca de 16.500 estarão a frequentar os jardins de infância, 83.500 a frequentar o ensino básico e cerca de 30 mil a frequentar o ensino secundário, do 9º ao 12º ano de escolaridade”, indicou, acrescentando que para este ano foram contratados 220 nossos professores e houve mobilidade, através de transferência, de 230 docentes.

No entanto, o funcionamento do ano lectivo 2021/2022 estará ainda condicionado pelos impactos da covid-19, mas será iniciado o processo de regresso à normalidade tendo como um dos pressupostos para a retoma da normalidade a vacinação dos professores e demais funcionários afectos às escolas, bem como dos alunos com idade igual ou superior a 18 anos e a manutenção e reforço das medidas adoptadas para conter a propagação da doença.

A nível de infra-estruturas, 34 escolas foram reabilitadas em vários concelhos, acrescentando que as cantinas escolares estão preparadas para entrar em funcionamento com o início das aulas, estando garantido o stock dos géneros alimentícios e outras condições de funcionamento das cozinhas.

O rácio de aluno por turma, será em média de 30 alunos por sala, respeitando os condicionalismos locais, existência de alunos com necessidades educativas especiais, isolamento de escolas básicas e organização do transporte escolar.

Por outro lado, inicia-se a implementação do plano de recuperação das aprendizagens, que consiste em antecipação do início das aulas, prolongamento do final do ano lectivo, redução das interrupções lectivas, podendo ainda, em caso de necessidade serem estendidas as aulas aos sábados nos concelhos e nas escolas onde houve mais perda de conteúdos.

Quanto aos manuais, a mesma fonte garantiu que todos do 1º ao 8º ano de escolaridade já estão disponíveis nos pontos de venda nos concelhos, com excepção dos manuais de língua portuguesa e matemática do 8º ano de escolaridade, que segundo afiançou, estarão disponíveis em meados de Outubro.

Relativamente aos manuais do 9º ano de escolaridade, adiantou, já está em curso a revisão curricular, com base em novos programas, estando prevista a sua produção ao longo dos próximos meses e início de distribuição a partir de Janeiro de 2022.

Em matéria de acção social, concluiu o governante, a Ficase irá contemplar no novo ano lectivo mais 20 mil alunos provenientes de famílias carenciadas com a entrega de kits escolares.

Amadeu Cruz informou ainda que o Ministério da Saúde está a avaliar a situação e poderá tomar outras decisões em relação ao alargamento da vacinação dos adolescentes, apelando à confiança de todos relativamente à decisão da tutela da Educação de normalizar e criar condições para o funcionamento das escolas.

Apelou, neste sentido, à responsabilidade cívica e moral dos professores e funcionários afectos às escolas na adesão ao plano de vacinação, visando evitar a propagação da covid-19 na comunidade académica, tendo a mesma fonte avançado que o ministério prevê o alargamento dos postos de vacinação em algumas escolas.

Por sua vez, os delegados de Educação nas diferentes ilhas do País asseveraram “estar tudo a postos” para garantir um arranque do ano lectivo 2021/22 com “máxima tranquilidade” e cumprimento das recomendações sanitárias, embora em contexto pandémico.

Por seu turno, o presidente do Sindicato Nacional dos Professores (SINDEP), Jorge Cardoso, afirmou que todos os envolvidos devem dar o seu contributo visando garantir a retoma da normalidade do novo ano lectivo em todo o território nacional.

“Estamos constantemente a fazer visitas em todos os concelhos e escolas para podermos ter de facto um pronunciamento sobre a retoma das aulas em regime presencial logo ainda no decorrer deste mês de Setembro”, prometeu.

As aulas presenciais em Cabo Verde foram suspensas em Março de 2020, no final do segundo período desse ano lectivo, e foram retomadas em 01 de Outubro em todo o país, e um mês depois na cidade da Praia, mas por três dias por semana e com horários reduzidos devido à pandemia da covid-19.

Durante a suspensão das aulas em 2020, o Ministério da Educação apostou no ensino a distancia com a implementação de um programa educativo denominado “Aprender e estudar em casa”, aulas na televisão, na rádio e noutras plataformas.

O programa teve como objectivo fazer os estudantes manter o vínculo com o meio educativo e o contacto com os docentes e os conteúdos de ensino-aprendizagem, enquanto estavam em casa por causa das restrições impostas para evitar a propagação do novo coronavírus.

CM/ZS

Inforpress/Fim.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos