Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Nova direcção da Sindep aberta ao diálogo com outros sindicatos em prol da defesa dos interesses dos professores

Cidade da Praia, 29 Abr (Inforpress) – O primeiro-vice-presidente do Sindicato Nacional dos Professores (SINDEP), Nelson Cardoso, disse hoje na cidade da Praia que a nova direcção daquele sindicato está aberta ao diálogo com os outros sindicatos em prol da defesa dos interesses dos professores.

Este sindicalista falava à imprensa, à margem da primeira reunião da Direcção Nacional do Sindep, após a eleição na V Conferência Nacional, que se pretende “um novo Sindep”, com uma nova largada, em que a aproximação e a comunicação com os sócios e com a classe serão prioridades, mas mantendo sempre a missão, que é defender e garantir os direitos dos professores.

“Quando falamos de um novo Sindep, entendemos que é preciso mudar, alterar as coisas e precisamente na nossa plataforma que foi sufragada no dia 10 de Abril está o diálogo e entendimento com os outros sindicatos porque os objectivos da classe são prioritários. Não nos interessa os promotores ou protagonistas, mas sim alcançar os objectivos e os direitos que os professores têm”, referiu.

Nelson Cardoso avançou ainda que esta primeira reunião da nova Direcção Nacional teve como propósito aprovar os instrumentos, nomeadamente o plano de actividades e o orçamento para este ano, a vigorar entres os meses de Maio e Dezembro.

O encontro serviu ainda para eleger os órgãos centrais internos, nomeadamente o secretariado nacional e a comissão permanente, que é a comissão executiva.

Quantas as prioridades, este responsável sindical aponta como principal o reforço do diálogo com a classe e com as instituições, especialmente com o Governo e o Ministério da Educação.

“Até agora temos sido quase que muitos tolerantes, Vamos reivindicar que os direitos sejam reconhecidos e também publicados, principalmente aqueles que não se traduzem em gastos para o próprio Governo. Falamos da nomeação da carreira por exemplo, que é um direito que não tem gasto ao Governo, mas não se tem feito como deveria ser feito”, afirmou.

Este vice-presidente da Sindep disse ainda que todos os compromissos vão ter que ser assumidos, acrescentando que o último ministro da Educação da última legislatura, Amadeu Cruz, garantiu aos professores que, no prazo de um ano a um ano e meio, todos os pendentes serão resolvidos.

“Portanto, não há nada mais a fazer senão exigir o cumprimento cabal. Há questões que, querendo o Governo, nem precisam de um ano, precisam de um mês ou dois meses. As questões que dependem principalmente da vontade vão ter que ser satisfeitas já. Vamos exigir e isso não são só os dirigentes. É preciso também a classe engajar à volta da direcção do Sindicato. Porque o sindicato são os profissionais e não somente a direcção”, acrescentou.

GSF/JMV
Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos