Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

NOSI em alerta após ciberataque global que já atingiu cerca de 150 países

 

Cidade da Praia, 17 Mai (Inforpress) – O Núcleo Operacional da Sociedade de Informação (NOSI) está em alerta após o ciberataque global que já provocou cerca de 300 mil vítimas em pelo menos 150 países, garantiu hoje o responsável de segurança.

Em declarações hoje à Inforpress, Hélder Veiga explicou que, até ao momento, o NOSI não registou nenhum ataque na rede, mas que tal pode vir a acontecer, porque existem muitas variantes do vírus ‘WannaCry’, utilizado nestes ataques e que podem ser utilizados para outro tipo de ataque.

“Estamos em alerta, a monitorar toda a rede, de todos os serviços e equipamentos, para evitar e garantir que não sejamos atingidos, principalmente para tentar proteger todas as instituições sedeadas no NOSI”, afirmou, exemplificando os hospitais e outras instituições de saúde.

O responsável alerta que, o computador que for atacado, encripta todos os ficheiros, fazendo com que o utilizador não consiga utilizar mais os mesmos, dependendo de que computador que for atacado, que o risco pode ser maior ou menor.

“A partir do momento que um computador for atacado, temos que garantir que todo o sistema esteja actualizado para se poder eliminar o que foi atacado e que o vírus não venha a espalhar-se para outras máquinas, mas dificilmente se consegue eliminar completamente”, esclareceu, indicando que todos os utilizadores devem, por isso, garantir a actualização das suas máquinas.

Segundo Hélder Veiga, os utilizadores devem ter cuidado em abrir e-mails de origem desconhecida, ou se tiver alguma desconfiança quanto ao ficheiro recebido, mesmo de um utilizador fidedigno.

O ataque, lançado na sexta-feira, 12, afectou pelo menos hospitais britânicos, o fabricante de automóveis francês Renault, o sistema bancário central da Rússia, vários ministérios russos, o grupo norte-americano FedEx, as universidades na Grécia, China e na Itália e a espanhola das telecomunicações Telefónica.

O vírus limita ou impede aos utilizadores o acesso ao computador ou a ficheiros, exigindo ao proprietário um pagamento em troca de um código para resolver o problema.

DR/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos