Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Nobel da Paz Nadia Murad insta comunidade internacional a juntar-se à sua luta

Washington, 08 Out (Inforpress) – A activista yazidi Nadia Murad, prémio Nobel da Paz 2018, instou hoje a comunidade internacional a juntar-se à sua luta contra a violência sexual em conflitos bélicos e contra o genocídio de minorias como a sua.

“Um prémio e uma pessoa não podem conseguir este objectivo, precisamos de um esforço internacional com a ajuda de instituições e a participação de mulheres e jovens, com a participação das vítimas para trazer de novo a vida às regiões destruídas pela guerra”, afirmou Nadia Murad, em Washington, nos Estados Unidos da América, na sua primeira aparição pública depois do anúncio do Nobel.

A activista pediu aos governos para apoiarem a causa, a de proteger e procurar justiça para as vítimas de violência sexual em conflitos e para os yazidis, que foram vítimas em 2014 de um genocídio pelo Estado Islâmico (EI).

Em 03 de Agosto de 2014, o EI acedeu à comarca iraquiana de Sinyar, na qual Murad nasceu e cresceu, tendo sido uma das três mil meninas e mulheres que foram submetidas a exploração sexual, um crime que sofreu durante três meses até conseguir fugir.

O objectivo do EI era acabar com os yazidis, uma minoria de etnia curda que considera infiel e que foi alvo de 74 genocídios ao longo da História.

A yazidi, de 25 anos, pediu hoje à comunidade internacional para “trabalhar junta para responsabilizar os criminosos e conseguir justiça para as vítimas, especialmente para as das violações sistemáticas do EI e de outros grupos terroristas”.

“Justiça não significa matar todos os membros que cometeram estes crimes. Justiça é levar os membros do EI a um tribunal e julgá-los pelos crimes cometidos contra os yazidis e castigá-los por esses crimes”, explicou Murad.

A activista lamentou que ainda não se tenha conseguido levar os responsáveis pelos crimes de violência sexual aos tribunais, mas espera consegui-lo.

Nadia Murad reparte o Nobel da Paz 2018 com o médico congolês Denis Mukwege, que trabalha pela recuperação de mulheres violadas durante conflitos armados. Ambos partilharão os nove milhões de coroas suecas (870.000 euros) da dotação económica do prémio.

A galardoada indicou que a quantia que lhe corresponde será destinada à sua luta para a reconstrução das vidas de centenas de milhares de yazidis e para a protecção das vítimas de abusos sexuais no conflito, mas reiterou que é necessário mais do que isso.

Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos