Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Nobel da Literatura Abdulrazak Gurnah promete continuar a falar de migrantes

Londres, 08 Out (Inforpress) – O prémio Nobel da Literatura 2021, Abdulrazak Gurnah, declarou hoje que continuará a tomar a palavra para falar de imigração, classificando o ‘Brexit’ como “um erro” e as políticas dos Governos europeus como “desumanas”.

O escritor de 72 anos, nascido no sultanato de Zanzibar e refugiado em Inglaterra nos anos 1960, foi distinguido na quinta-feira pela sua obra sobre a era colonial e pós-colonial na África oriental e sobre os tormentos dos refugiados encurralados entre dois mundos.

“Escrevo sobre essa condição, porque quero escrever sobre as interações humanas, o que as pessoas passam quando tentam reconstruir a sua vida”, disse Gurnah numa conferência de imprensa em Londres, um dia após a sua consagração.

O autor não esperava o prémio: “Escrevemos o melhor que podemos e esperamos que resulte!”.

Com dez romances, diversos contos e vários livros de ensaio e crítica literária publicados, Abdulrazak Gurnah insistiu que continuará a falar francamente das questões que moldaram a sua obra e a sua visão do mundo.

Prémio Nobel ou não, comentou, “é a minha maneira de falar: não estou a representar um papel, digo o que penso”.

O quinto autor nascido em África a ganhar o prémio, Abdulrazak Gurnah fugiu de Zanzibar em 1967 e chegou a Inglaterra em 1968, onde se instalou e adquiriu a nacionalidade britânica.

Embora a sua língua nativa seja o suaíli, também aprendeu inglês no arquipélago do oceano Índico, protetorado britânico antes da sua vinculação à Tanzânia, mas apesar de escrever em inglês, o escritor conserva uma forte ligação à sua terra natal, uma ligação que alimenta a sua obra.

“Eu sou de Zanzibar, não há qualquer confusão no meu espírito quanto a isso”, sublinhou.

“O meu trabalho e a minha vida são aqui” no Reino Unido, “mas não é isso o que inteiramente constitui a nossa vida imaginária ou a nossa vida imaginada”, acrescentou.

Após meio-século passado no Reino Unido, Gurnah considera que o racismo ali diminuiu, mas que as instituições do país se mantêm “autoritárias”, referindo o exemplo do escândalo “Windrush”, sobre o tratamento infligido a milhares de imigrantes das Caraíbas que chegaram legalmente ao Reino Unido entre 1948 e 1971, mas foram privados de direitos por falta dos documentos necessários.

“Estamos a assistir à continuação da mesma torpeza”, prosseguiu, antes de atacar “o erro” do ‘Brexit’ (saída do Reino Unido da União Europeia), no qual vê “qualquer coisa de nostálgico e de ilusório”.

O escritor mostrou-se igualmente crítico em relação às políticas de outros países europeus, como a Alemanha que, na sua opinião, não “encarou de frente a sua história colonial”.

O seu mais recente romance, “Afterlives” (2020), segue a vida de um menino roubado aos pais pelas tropas coloniais alemãs, que regressa à sua aldeia para procurar os pais e a irmã desaparecidos.

O Nobel criticou a linha dura dos Governos europeus em relação à imigração procedente de África e do Médio Oriente, considerando-a cruel e ilógica.

“Nesta resposta aterrorizada – ‘Mas quem são estas pessoas que aí vêm?!’ – há uma falta de humanidade, uma falta de compaixão”, apontou, acrescentando que não existe para tal “qualquer fundamento moral ou racional: as pessoas não chegam sem nada, chegam com a sua juventude, a sua energia, o seu potencial”.

“O simples facto de se contemplar a ideia ‘eles estão aqui, eles vêm roubar alguma coisa à nossa prosperidade’ é desumano”, defendeu.

Inforpress/Lusa/fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos