Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Netanyahu responsabiliza Washington por atrasos na anexação da Cisjordânia

Jerusalém, 11 Ago (Inforpress) – O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, responsabilizou hoje os Estados Unidos por ainda não estar em andamento o plano de anexação de partes da Cisjordânia, em suspenso desde Julho.

“Ficou claro desde o princípio que o processo para anexar o território palestiniano ocupado só aconteceria com o acordo dos Estados Unidos”, disse Netanyahu numa entrevista segunda-feira à noite ao Canal 20 de televisão local.

O chefe do Governo israelita explicou que, se não precisasse da aprovação da administração do Presidente norte-americano, Donald Trump, já teria posto o plano em marcha “há muito tempo”.

No entanto, explicou, a Casa Branca “está ocupada com outras questões e esta não está na sua mente”.

“Espero que num futuro próximo possamos avançar com o reconhecimento da aplicação da soberania e outros assuntos diplomáticos importantes para Israel”, afirmou.

O governo israelita indicou o dia 01 de Julho como a data a partir da qual divulgaria a sua estratégia para aplicar o plano norte-americano para o Médio Oriente, apresentado pelo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em Janeiro e rejeitado pelos palestinianos e por grande parte da comunidade internacional.

No entanto, até ao momento Israel não fez qualquer anúncio oficial, indicando apenas que prosseguem as discussões com responsáveis norte-americanos e com os chefes da segurança do Estado hebreu.

O plano norte-americano prevê a anexação por Israel de 30% do território palestiniano ocupado da Cisjordânia, incluindo colonatos judaicos e o vale do Jordão, mas a oferta prevê a supervisão norte-americana do processo e a aprovação definitiva por Washington, algo que até agora não aconteceu.

Mais de 450.000 colonos vivem na Cisjordânia ao lado de 2,7 milhões de palestinianos.

Inforpress/Lusa/fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos