Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Negação do Holocausto contribui para emergência do ódio no mundo – Guterres

Redação, 13 Out (Inforpress) – O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, alertou hoje que a negação, distorção e o esquecimento do Holocausto estão a contribuir para a emergência do ódio no mundo.

“A negação, distorção e minimização do Holocausto estão em crescendo”, disse António Guterres numa mensagem em vídeo a uma reunião internacional na cidade sueca de Malmo sobre o extermínio de milhões de judeus e outras comunidades durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Guterres disse que o Holocausto “não foi uma aberração cometida por algumas pessoas terríveis, mas o culminar de milénios de ódio”.

“Foi um ato de crueldade e horror calculados sem precedentes”, disse, referindo-se ao “assassínio sistemático de cerca de seis milhões de judeus e milhões de pessoas de outras comunidades” pelo regime nazi alemão.

Para o líder da ONU, “o antissemitismo é um sismógrafo” que quanto mais ameaça o mundo “maiores são as fissuras” nos valores das Nações Unidas para a compreensão mútua e o respeito pela dignidade humana.

“É por isso que o racismo crescente, o antissemitismo, o preconceito antimuçulmano virulento e o ódio anti-refugiados que vemos hoje também são perigosos”, disse.

O antigo primeiro-ministro português manifestou-se preocupado com as gerações mais jovens que “não têm nem mesmo uma compreensão básica” do Holocausto.

“Devemos refletir, aprender, ensinar e agir”, afirmou.

O Fórum Internacional de Memória do Holocausto e Combate ao Antissemitismo resultou de uma iniciativa do primeiro-ministro da Suécia, Stefan Löfven.

Portugal esteve representado no fórum pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

Na sessão de encerramento, o ministro dos Assuntos Europeus alemão, Michael Roth, defendeu que a Alemanha “tem de fazer mais esforços na luta” contra o anti-semitismo e a discriminação de outras comunidades.

“As coisas estão mal e é por isso que precisamos de uma estratégia de tolerância zero”, disse Roth.

“Temos de criar uma sociedade multirreligiosa, multiétnica, multicultural, em que todos possam viver. E isto aplica-se ao meu país e a todo o mundo”, acrescentou.

Em conferência de imprensa, o primeiro-ministro sueco anunciou algumas das medidas com que se comprometeu no fórum, incluindo a apresentação, em 2022, de programas de ação contra o anti-semitismo, o anticiganismo, a islamofobia e o racismo.

“O racismo organizado e o apoio ao racismo organizado serão criminalizados e uma comissão parlamentar irá considerar se a negação do Holocausto deve ser criminalizada de forma mais clara”, disse.

Stefan Löfven anunciou também que o governo sueco “começará a trabalhar na primeira estratégia de sempre para promover a vida judaica na Suécia”.

A Aliança Internacional de Memória do Holocausto (IHRA, na sigla em inglês) anunciou que os vários governos e organizações representados no fórum de Malmo prometeram reforçar o combate contra o antissemitismo e outras formas de racismo nas redes sociais e fora delas.

A secretária-geral da IHRA, Kathrin Meyer, alertou que a distorção do Holocausto, “muitas vezes disseminada através das redes sociais”, (…) abre caminho ao anti-semitismo, à negação do Holocausto e ao nacionalismo extremo”.

“Estamos satisfeitos por ver líderes mundiais solidários para assumir novos compromissos na luta contra este mal”, acrescentou.

Portugal, que é um dos 34 membros da IHRA, instituiu o programa “Nunca Esquecer”, em junho de 2020, para preservação da memória do Holocausto e promoção dos direitos humanos.

Inforpress/Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos