Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Museu do Sal quer relembrar tradições que tendem a ser esquecidas pela nova geração

Santa Maria, 18 Mai. (Inforpress) – O Museu do Sal quer relembrar algumas tradições que tendem a ser esquecidas pela nova geração, e no Dia Internacional dos Museus, assinalado hoje 18 de Maio, programou um leque de actividades, com destaque para o baptizado de bonecas.

Celebrado este ano sob o lema “Os museus como eixos culturais: O futuro das tradições”, o Museu do Sal organizou uma semana de actividades para assinalar a efeméride, propondo relembrar algumas tradições que estão a ser esquecidas pela nova geração, e promover o intercâmbio cultural, conforme a directora Georgiana Oliveira.

“Pretendemos realizar um leque de actividades, como baptizado de boneca, exposição de Santa Cruz, palestra interactiva com os alunos, para comemorar o dia Internacional dos Museus junto da comunidade e das escolas da ilha”, informou.

Durante esta semana, de 13 a 17, o Museu do Sal, proporcionou visitas guiadas, palestra intitulada “E se a nossa história começasse agora”, para alunos do ensino secundário.

Hoje, a actividade é centrada no baptismo de bonecas com a participação de crianças até os 12 anos, e uma exposição intitulada “Santa Cruz, nos tradição”, no espaço do Museu do Sal, na cidade de Santa Maria.

Sobre a razão do tema escolhido este ano pelo Conselho Internacional de Museus (ICOM), Georgiana Oliveira explica que se deve ao facto de o papel dos museus na sociedade estar a mudar.

Estribada no pensamento do ICOM, aponta que se no passado foram consideradas instituições estáticas, os museus estão se reinventando para serem mais interactivos, flexíveis, adaptáveis e móveis, concentrando-se na audiência e orientando-se a suas comunidades.

“Converteram-se em eixos culturais que funcionam como plataformas onde a criatividade se combina com o conhecimento e onde os visitantes podem criar, compartilhar e interatuar”, observou.

E é nesta orientação, e sob direcção do departamento de Museus e Museologia do IPC, que o Museu do Sal programou o seu calendário de actividades, contribuindo assim para o “enriquecimento” da cultura.

“À medida que os museus crescem cada vez mais em seus papéis de centros culturais, eles também encontram novas maneiras de honrar suas colecções, suas histórias e seus legados, criando tradições que terão novos significados para as gerações futuras”, referiu.

Georgiana Oliveira lembrou, para concluir, que o Museu do Sal foi criado com o intuito de salvaguardar a história e cultura das gentes do Sal e de Cabo Verde no geral, e umas das formas de cumprir este objectivo, conforme disse, é divulgar junto da população a  história do país.

Acredita-se que a Semana de Museus tem-se mostrado um efectivo instrumento de divulgação dos museus ao mobilizar e apresentar uma programação comum que chama a comunidade a reflectir, discutir e trocar experiências sobre temas da contemporaneidade, revelando a importância das instituições museológicas para o desenvolvimento da sociedade.

A celebração da data é feita desde o dia 18 de Maio de 1977, por proposta do ICOM – Conselho Internacional de Museus (organismo da Unesco).

SC/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos