Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Municipalização dos serviços de atendimentos às vítimas de VGB dá resposta à questão – presidente do ICIEG

 

Cidade da Praia, 12 Abr (Inforpress) – A presidente do Instituto Cabo-verdiano de Igualdade e Equidade de Género (ICIEG) disse hoje, na Cidade da Praia, que a municipalização dos serviços de atendimentos às vítimas de Violência Baseada no Género (VGB) é a solução para esta questão.

Rosana Almeida fez essas considerações em declarações à imprensa a propósito do protocolo de cooperação que o ICIEG e a Câmara Municipal da Praia assinaram esta quarta-feira, visando a instalação, organização e funcionamento do Centro de Apoio às vítimas de Violência Baseada no Género.

Segundo a responsável, não obstante Cabo Verde ter uma excelente lei VBG, esta exige uma grande transversalidade, ou seja, “pedir ás instituições que ajudem o ICIEG a dar respostas a  esta problemática, e neste caso, a Câmara Municipal, por estar mais perto da população, se revela como a entidade que pode dar essa resposta”.

“É preciso dar respostas pensadas, analisadas e ir ao encontro da realidade, porque não se pode ter uma boa lei se na prática não funciona e se as instituições não estiverem ao lado do ICIEG no combate à violência baseada no género”, disse, Rossana Almeida, considerando que a abertura das câmaras municipais à causa género deixa o ICIEG com mais força.

Por sua vez, o presidente da Câmara Municipal da Praia, Óscar Santos, disse que a sua edilidade sempre defendeu a descentralização, uma vez que as câmaras municipais estão mais próximas das populações do que o Governo e qualquer outra estrutura do Estado.

“Nós temos quatro delegações municipais nesta cidade, que podem muito bem prestar serviços de apoio às vítimas de violência de género”, frisou o edil praiense, lembrando que a CMP assinou, recentemente, um acordo similar com o Ministério da Família, que visa dar apoio    social às populações.

Óscar Santos informou que a delegação de Achada Santo António vai albergar “como experiência piloto”, o Centro de Apoio às vítimas de Violência Baseada no Género, para depois alargar-se às outras delegações, designadamente, São Martinho, Vila Nova e Achada Grande Frente.

O Centro de Apoio às vítimas de Violência Baseada no Género tem como atribuições, o atendimento técnico, judicial, psicológico às vítimas, a monitorização e seguimento da situação, o apoio educativo à unidade familiar, a orientação e inserção laboral e a promoção do empoderamento das vítimas.

OM/FP

Inforpress/Fim

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos