MpD reconhece que novos tempos são de “enormes desafios” e de construção de diálogo entre os cabo-verdianos

Cidade da Praia, 29 Jul (Inforpress) – O líder da bancada parlamentar do MpD destacou hoje as medidas implementadas pelo Governo em prol do desenvolvimento do País, reconhecendo, entretanto, que os novos tempos são de “enormes desafios e construção de diálogo entre todos os cabo-verdianos.

O líder da bancada parlamentar do Movimento para a Democracia (MpD, poder), João Gomes, que proferia o discurso de abertura do debate sobre o estado da Nação, afirmou que Cabo Verde tem sofrido com a crise que afecta o mundo e que não fosse as medidas “atempadas e assertivas” de auxílio às pessoas e às empresas, tomadas pelo Governo, com o “inegável apoio dos parceiros”, o estado da Nação seria diferente.

“As secas severas, as piores dos últimos 40 anos, que ainda continuam a fazer os seus efeitos, a pandemia da covid-19 e agora a guerra na Ucrânia, não deram tréguas ao Governo nem aos cabo-verdianos, cujos efeitos, por certo, vão se fazer sentir por muitos anos nesta nossa nação”, apontou.

Salientou, entretanto, que as crises causadas pelas secas, não obstante seus efeitos nefastos, não intimidaram o Governo chefiado por Ulisses Correia e Silva nem impediram a tomada de medidas de políticas assertivas que permitiram que o PIB passasse a crescer cerca de 6%, o desemprego caísse para 11,3%, a dívida pública reduzisse para 115% do PIB e o rendimento das famílias aumentasse, no final do ano 2019

“O Governo não se deixou intimidar, concebeu e executou medidas atempadas e assertivas que permitiram o controlo da situação sanitária com altos níveis de vacinação, a proteção do empego, das empresas e   o rendimento de famílias cabo-verdianas”, ressaltou, declarando que as medidas tomadas pelo Governo foram “atempadas e assertivas” e produziram “bons resultados”.

Ademais, adiantou, apesar das vicissitudes encontradas foi possível transformar Cabo Verde, numa Nação com esperança no presente e no futuro, e uma Nação com resultados “nunca alcançados” a nível da inclusão social.

“Foi este Governo que criou o rendimento social de inclusão, bem como o programa de inclusão produtiva, que melhorou o acesso a medicamentos para os mais desfavorecidos, e que criou   a tarifa social de água e energia que permite milhares de cabo-verdianos terem condições dignas de vida, e que implementou ainda o programa de direito à educação”, elencou.

Destacou ainda as medidas de política de índole social que foram programadas e implementadas, com destaque para a criação do emprego público, dinamização da requalificação urbana com vista a melhorar a vida dos cabo-verdianos, aumentar a autoestima dos cabo-verdianos, principalmente dos jovens.

“Depois do período de confinamento, provocado pela pandemia, a abertura da sociedade e o retomar dos negócios levaram a um aumento da procura dos combustíveis e com isso, o aumento inevitável da energia.  Mais uma vez, o Governo viu-se obrigado a adoptar medidas apropriadas para mitigar os efeitos desse aumento que teria sido brutal, não fora a ação governativa”, indicou.

Salientou ainda as medidas adoptadas para estabilizar os preços, diminuir o seu impacto, tornar o País mais resiliente, e evitar que esta escalada de aumento de preços seja transmitida diretamente para os consumidores ou para as empresas.

“A Nação está a viver uma tripla crise, que impacta sobremaneira as nossas vidas, principalmente os mais vulneráveis e valha a verdade, pouco ou nada podíamos fazer para a evitar. Como em outras ocasiões, é nos momentos difíceis que mostramos a fibra do cabo-verdiano. Juntemo-nos ao Governo para juntos transformarmos as adversidades em oportunidades para Cabo Verde e todos os cabo-verdianos”, concluiu.

CM/AA

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos