Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

MpD classifica de “falsas e maldosas” acusações do PAICV sobre o Cadastro Social Único

Cidade da Praia, 02 Ago (Inforpress) – O Movimento para a Democracia (MpD, poder) considerou hoje de “falsas e maldosas” as acusações feitas pelo PAICV, alegando que o Governo estaria a utilizar o Cadastro Social Único (CSU) para fins eleitorais.

A posição do MpD foi defendida pelo membro da Direcção Nacional do partido Lúcia Passos, explicando que o Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV, oposição) quer transformar um “instrumento eficiente” em “arma de arremesso”.

Na ocasião, disse que foi com “perplexidade” que o MpD tomou conhecimento do conteúdo da conferência de imprensa do PAICV, em que este partido demonstrou, mais uma vez, sua “falta de solidariedade para com a população”, em não aceitar “o sucesso das medidas sociais” em curso com “grande impacto” nas famílias.

Segundo a responsável, em 2018, “o tal ano que o PAICV alega que o programa estava engavetado”, foi finalizado o sistema informatizado, foi elaborado o Manual de Cadastro Social Único, e foram capacitados um total de 190 formandos.

Em 2019, prosseguiu, começou a atribuição do Rendimento Social de Inclusão, através dos dados do CSU, e, até Novembro de 2019, contava na base do programa um total de 40.045 agregados familiares registados e 158.857 indivíduos, e, até Agosto de 2021, um total de 76.795 agregados familiares, correspondendo a 296.002 membros.

“O processo de registo no CSU é operacionalizado pelos gabinetes sociais das câmaras municipais, através de equipas escolhidas directamente pelas autarquias”, declarou.

Neste sentido, frisou, para o PAICV até as oito câmaras municipais suportadas pelo partido, “demonstram uma grande incapacidade” na organização do programa, assim como seus autarcas se dedicam “a explorar a pobreza social” e afrontar a dignidade dos cabo-verdianos mais pobres.

“Esperamos que esta tomada de posição seja, apenas, um lapso de memória, pois só assim, se poderá entender o esquecimento selectivo do PAICV, que não deu conta das medidas concretas e eficientes criadas pelo Governo”.

Conforme Lúcia Passos, para mitigar os efeitos da pandemia, o Executivo criou o Rendimento Social de Inclusão emergencial com transferência mensal de cinco mil escudos, beneficiando 22.315 famílias pobres, o Rendimento Social Solidário com transferência de 10 mil escudos, beneficiando 20.186 trabalhadores do sector informal.

“Todos sabemos que Cabo Verde é ainda um País com elevados níveis de pobreza, e a crise da covid-19 agravou a situação, mas não é com populismo nem com o assistencialismo que se pode resolver a questão”, salientou.

Reiterou, ser com a retoma do crescimento económico e com inclusão social e territorial assertivas, usando o cadastro social como instrumento de selecção, para assim consolidar a politica social.

“O Governo continua focado na mobilização de recursos e implementação das boas medidas e politicas sociais, que concorram para o bem-estar das famílias cabo-verdianas”, sublinhou.

HR/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos