Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

MpD acusa líder do PAICV de ser “irresponsável” e de tentar “envenenar” a política cabo-verdiana

Cidade da Praia, 06 Fev (Inforpress) – O MpD (poder) acusou a líder do PAICV de ser “irresponsável” e de tentar “envenenar” a política cabo-verdiana, e desafiou-a a apresentar às autoridades judiciais os casos de “criminalidade de colarinho branco” que lhe tem chegado ao conhecimento.

As acusações foram feitas pela deputada do Movimento para a Democracia (MpD) Filomena Gonçalves, em declaração política que teve como propósito a ética, forma de fazer política e foco nas afirmações da presidente do PAICV que afirmou que a “criminalidade de colarinho branco” está a tornar-se cada vez mais “organizada e perigosa, invisível e intocável, alimentada pela obsessão do lucro”.

Para o MpD, trata-se de uma afirmação “grave” e “irresponsável” que jamais deveria sair da boca da representante do povo nesta casa parlamentar, que é responsável máximo do maior partido da oposição.

Filomena Gonçalves considerou que a postura de Janira Hopffer Almada não dignifica o papel que a Constituição e as demais leis da República reservam aos partidos da oposição, onde todos devem “opor-se em cair à tentação de cair na mesquinhice e imaturidade” que se insiste em tentar envenenar a política cabo-verdiana e que deve ser combatida sem tréguas sobretudo por pessoas do bem e responsáveis.

Para o MpD, a corrupção foi muito tolerada no Governo anterior liderado pelo PAICV, prática essa, que tem sido combatida e denunciada pelo actual Governo que tem tido medidas determinantes no combate a esse flagelo.

Na ocasião lembrou que o maior partido da oposição não conseguiu explicar e justificar os alegados casos do Fundo do Ambiente, Fundo do Turismo, Banco da Cultura, Novo Banco e entre outras algumas dezenas de casos que são do conhecimento público.

“Desafiamos a líder do maior partido da oposição de Cabo Verde a indicar em concreto os casos de criminalidade de colarinho branco que lhe tem chegado ao conhecimento, apresentar às instâncias judiciais competentes, se os não fizer estará apenas a descredibilizar e lançar suspensões sobre o bom nome e o prestígio dos cidadãos do bem, das instituições da democracia e de Cabo Verde”, referiu.

A deputada do MpD exortou ainda a líder do PAICV a apresentar ao poder judicial e à sociedade cabo-verdiana informações que confirmam casos de “criminalidade de colarinho branco”, prestando assim um grande serviço à nação, à sociedade e ao grande capital imensurável que é a democracia.

No seu entender, o PAICV deve apostar num novo espírito de patriotismo de serviço, de responsabilidade onde cada um contribui e toma conta não só do próprio, mas de todos.

Por seu turno, o líder parlamentar do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), Rui Semedo, disse que a deputada do MpD não tem moral de “exigir” nada uma vez que o Governo não tem feito nada para resolver a situação da corrupção no país que tem estado a “desagradar-se” cada vez mais.

“No passado tivemos um conjunto de questões graves que ficaram por resolver, um dos maiores escândalos do país foi o caso da Enapor porque comprovou-se e confirmou-se que o dinheiro não entrou nos cofres do Estado. Até hoje está-se a procurar aquele dinheiro, estamos a ter casos com a questão do terreno que envolve vários colarinhos brancos que não estão a ser esclarecido e a senhora abafa e aponta dedos aos outros”, mencionou, assegurando que o Governo não tem disponibilizado informações.

O PAICV adiantou que, neste momento, tem acontecido “casos que beneficiam empresas com interesses pessoais”, situações que misturam interesses públicos e privados com denúncias e comprovação, mas não são esclarecidos pelo MpD, que decide apenas apontar o dedo e condenar os outros.

Rui Semedo afirmou que os organismos internacionais reconhecem que existe problemas a nível da corrupção em Cabo Verde que precisam ser resolvidos.

Para o presidente da União Cabo-verdiana Independente e Democrática (UCID), António Monteiro, os governos do MpD e do PAICV têm contributo para que a sociedade cabo-verdiana duvide, conteste, questione e aponte os dedos.

“Não temos tido a felicidade de termos governação completamente transparente, não estamos a dizer que há corrupção de colarinhos brancos, nós estamos a dizer que enquanto político e governantes deste país, as sombras cinzentas que nós temos deixado transparecer dá a população oportunidade de pensar que esta sombra é uma escuridão total”, considerou o presidente que apelou ao Governo do MpD a ser “mais transparente possível”.

No seu entender, o Governo deve ter uma visão clara e transparente em  todos os actos da governação e evitar que a sobra seja confundia com escuridão.

AV/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos