Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Morre congressista republicano norte-americano acusado de assédio sexual

 

Washington, 14 Dez (Inforpress) – O congressista estatal do Kentucky e pastor evangélico Dan Johnson morreu na quarta-feira, num aparente suicídio, dois dias depois de ser acusado de assédio sexual por uma mulher, disseram as autoridades.

O médico legista do condado, Dave Billings, afirmou que a morte de Johnson foi causada por um único tiro, numa ponte de Mount Washinton, perto de Louisville, onde estacionou o automóvel. A autópsia deverá ser feita durante o dia de hoje, acrescentou.

Também o xerife do condado de Bullitt, Donnie Tinnell, e a televisão local WDRB, Johnson, de 57 anos, indicaram tratar-se de suicídio com um tiro, numa ponte de Mount Washington, perto de Louisville.

Na segunda-feira, Johnson foi acusado por uma mulher de a ter beijado e tocado sem o seu consentimento na noite de Ano Novo em 2012, quando ela tinha 17 anos. Na altura, a adolescente fez queixa na polícia, que investigou, mas fechou o caso, sem apresentar acusações.

Numa conferência de imprensa, realizada na terça-feira, na sua igreja em Louisville, Johnson negou as acusações, que considerou parte de uma campanha contra os republicanos norte-americanos.

Dan Johnson era um polémico pastor evangélico que foi eleito para a Câmara dos Representantes pelo Kentucky em 2016, pelo partido republicano.

Durante a campanha eleitoral comparou o então Presidente dos Estados Unidos Barack Obama e a primeira-dama Michelle Obama com primatas.

Dezenas de mulheres e alguns homens denunciaram nos últimos meses terem sido vítimas de agressões ou assédio sexual, num movimento já conhecido como “Me too” (“Eu também”).

As denúncias, que começaram com o poderoso produtos de Hollywood Harvey Weinstein, abalaram o mundo do espectáculo, a política e os meios de comunicação.

Meia centena de produtores, atores, congressistas e jornalistas foram despedidos ou demitiram-se na sequência das denúncias.

Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos