Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

“Mornas” de Solange Cesarovna foi apresentado num “espectáculo memorável” que reforça a candidatura da Morna ao Património da Humanidade

Cidade da Praia, 28 Jul. (Inforpress) – A cantora Solange Cesarovna apresentou esta sexta-feira o seu mais recente álbum “Mornas”, num espectáculo considerado memorável no auditório da Assembleia Nacional, com o presidente a referir que a Morna tem o seu lugar como Património da Humanidade.

Apresentada como a “rainha da morna”, Solange Cesarovna apresentou-se ao público da capital sob o suporte da banda orientada pelo guitarrista Kako Alves e fez jus ao título que ostenta, dada a forma como soube, com a sua sonoridade, cativar a plateia para com ela cantar em homenagem a figuras consagradas da morna como B.Leza, Eugénio Tavares, Manel d’Novas e Paulino Vieira.

A artista partilhou a sua empatia com o público, pois, por várias vezes teve de descer do palco para interagir com a plateia que tão bem soube corresponder aos refrãos das mornas mais marcantes, das quais “sodade” e Força de Cretcheu” se prontificam como verdadeiros cartões postais.

No dia que a casa parlamentar debateu o Estado da Nação, Jorge Santos congratulou-se com o espectáculo da noite, que o mesmo classifica de memorável, pelo que enalteceu a qualidade “desta grande artista, com uma melodia singular na voz e que consegue tirar sons da morma que só ela consegue”, mostrando-se convicto de que “vai levar a morna muito longe”.

“A morna é isto. Cada cantora, cada intérprete tem a sua criatividade e a sua sonoridade. Cesarovana é uma artista que neste momento está a fazer uma homenagem à morna, género que tem o seu lugar como o Património da Humanidade”, elucida Jorge Santos, para quem é uma questão agora a sua oficialização.

“Não só pela sua origem, que é a origem do povo cabo-verdiano, a saudade, o amor de quem parte mas gostaria de ficar, o drama das ilhas, das secas da maresia, do mar alto, mas também dos contrabandos. A morna é criolidade”, explica Santos, ressalvando que Cesarovna engrandece todo o historial e todo o acervo que levará a morna ao património da Humanidade.

O líder da Assembleia Nacional disse que o foco está na abertura do Parlamento à sociedade e enfatizou que enquanto Casa do povo, hemiciclo tem vindo a receber, ultimamente, grandes espectáculos musicais da morna, envolvendo vários artistas, homenagens e exposição da arte, escultura, olaria, de forma que o parlamento seja aberta às pessoas, à cultura, por forma a estar sempre de porta aberta e funcionar, também, como uma verdadeira casa da cultura cabo-verdiana.

O concerto de Solange Cesarovna, nesta sua primeira apresentação deste álbum na Cidade da Praia, terminou com uma concorrida sessão de autógrafo.

O álbum “Mornas” comemora os 150 anos do nascimento de Eugénio Tavares e celebra a candidatura da Morna a Património Imaterial da Humanidade.

Com produção das edições Artiletra, “Mornas” foi gravado em Cervantes Studios, em Lisboa, e conta com participação de músicos como os guitarristas Manel di Candinho e Adérito, o pianista Nando Andrade, o baixista Manuel Paris, o percussionista Kau Paris, o baterista Robert Leonardo e Nilton Cunha, no cavaquinho

O álbum traz oito faixas da autoria de Eugénio Tavares, como “Ná, Ó Menino Ná”; “Morna de Despedida”; “Morna de Nha Santa Ana”; “Mal de Amor” ; “Morna de Bejiça”; “Contam Nha Cretcheu”; “Mar Eterno” e Força de Cretcheu”.

“Mornas” é o terceiro álbum da artista, seguida de “Solange Cesarovna”, gravado em 2008, e “Speranza”, editado em 2011, na Itália, na sequência da sua actuação no Vaticano, Roma.

SR/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos