Missão do FMI em Cabo Verde para arranque da avaliação anual

 

Cidade da Praia, 21 Jun (Xinhua) – Uma equipa técnica do Fundo Monetário Internacional (FMI) iniciou terça-feira, na Cidade da Praia, os primeiros contactos da missão anual de avaliação a Cabo Verde, no quadro do artigo IV, segundo informação divulga pelo Governo.

A missão, que se prolonga até segunda-feira, tem como objectivos fazer o seguimento das políticas macroeconómicas e avaliar a situação económica e financeira do país.

Em análise estará também a assistência técnica prestada pelo FMI a Cabo Verde.

A equipa de técnicos, que terça-feira esteve reunida com o Ministro das Finanças, Olavo Correia, manterá encontros de trabalho com o banco central (BCV), com representantes de empresas públicas como a ELETRA (água e eletricidade) e a TACV (transportes aéreos), bem como com organizações como a agência de promoção do investimento Cabo Verde Trade Invest, a Imobiliária Fundiária e Habitat (IFH) ou o Instituto Nacional de Estatística (IFH).

A equipa deverá regressar em Setembro para encerrar a avaliação e elaborar o relatório final.

No relatório final da missão de 2016, os técnicos do FMI previram para este ano um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 3,7%, assinalando o início da recuperação da confiança na economia.

Salientaram, no entanto, que o “país está vulnerável a choques externos e que a sua dívida pública é elevada”.

Recomendaram por isso, às autoridades cabo-verdianas, que fomentassem a consolidação orçamental e implementassem “reformas estruturais para promover o setor privado, enquanto principal motor de crescimento, para fomentar a produtividade e facilitar o crescimento de longo prazo”.

Destacaram os esforços para “melhorar a eficiência das empresas públicas” e reiteraram que a aceleração do programa de privatizações ajudaria a impulsionar o crescimento do setor privado.

Realçaram que as dificuldades financeiras de duas empresas públicas – transportadora aérea e empresa imobiliária estatal – requerem “uma resolução rápida”.

O FMI instou ainda a realização de “progressos adicionais” nas reformas para impulsionar a competitividade, incluindo a melhoria do ambiente de negócios, o aumento da eficiência do mercado de trabalho e o apoio à educação e formação profissional para reduzir os desalinhamentos de competências.

O nível de implementação dessas reformas será avaliado pela missão que agora começa.

O Produto Interno Bruto (PIB) real cresceu 3,9% em 2016 e o Banco de Cabo Verde estima para 2017 um crescimento no intervalo entre 3% e 4%.

Inforpress/Lusa/Fim

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
[wd_asp elements='search' ratio='100%' id=2]
    • Categorias

  • Galeria de Fotos