Ministro reitera “compromisso político” do Governo com a estratégia azul das Nações Unidas

Cidade da Praia, 12 Mai (Inforpress) – O ministro do Mar reiterou hoje, na Cidade da Praia, o “compromisso político” do Governo com a estratégia azul da Nações Unidas de preservar uma área de 30 por cento (%) das áreas marinhas protegidas.

Abraão Vicente falava na abertura do workshop “Blue Prosperity Cabo Verde”, organizado pelo Governo, em parceria com a Waitt Institute e a Fundação Oceano Azul, para validar os objectivos da Prosperidade Azul Cabo Verde e para implementação dos programas de protecção e gestão dos recursos oceânicos do país.

“Nós estamos aqui não só para confirmar compromissos de curto prazo, mas para planificar a médio e longo prazo um modo como nós, como um Estado oceânico, devemos olhar para os oceanos”, explicou Abraão Vicente, advertindo que para Cabo Verde o “futuro é hoje”, uma vez que utiliza o mar como um factor económico para o desenvolvimento do País.

“Cabo Verde não tem outra opção se não aderir às melhores práticas internacionais, que não pode ser a troco de nada. Estamos em condições de negociar e demonstrar a absoluta necessidade de um maior investimento no país por parte das organizações internacionais”, esclareceu.

Segundo o ministro, a realização deste workshop confirma o “grande desafio” dos países oceânicos à necessária perspectiva de preservar os oceanos e dotar uma área para a reserva de 30%, mas ter uma exploração a 100% sustentáveis.

“Isto só se faz com instituições fortes e pujantes (…) mas também conectando o sector económico ao da investigação e Cabo Verde às grandes plataformas internacionais que visam criar um amplo plano estratégico e um plano transgeracional”, indicou.

 Abraão Vicente apontou a necessidade da formação da próxima geração de cabo-verdianos, “vestindo-se de azul”, com a introdução nas escolas de formação contínua para a compreensão dos oceanos e da sua importância para sobrevivência.

“Cabo Verde deve se apresentar ao mudo nessa conjuntura das mudanças climáticas como um grande Estado oceânico e com a necessária necessidade de ter essa a exploração a 100 % sustentável e ter reservas de pelos menos 30 %, para baixar o stress dos oceanos”, frisou o ministro do Mar.

Para isso, lembrou que no final deste workshop vai ser assinado um memorando de entendimento entre o Governo e os referidos parceiros, para implementação dos programas de proteção e gestão dos recursos oceânicos de Cabo Verde.

As entidades parcerias do presente programa propõem ao Governo de Cabo Verde uma parceria que se propõe uma   economia azul próspera, de modo a promover o bem-estar económico, a inclusão social e a preservação ou melhoria dos meios de subsistência e, ao mesmo tempo, garantir a sustentabilidade ambiental do oceano e áreas costeiras.

O ordenamento do espaço marinho para gerir de forma sustentável 100% do mar de Cabo Verde, incluindo a protecção total de pelo menos 30% da zona económica exclusiva (ZEE) e do mar territorial através de áreas marinhas protegidas e o apoio às pescas sustentáveis, são outras propostas da estratégia para a economia azul.

OM/AA
Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos