Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Ministro prevê em dois anos criação da base que vai definir o futuro do desporto em Cabo Verde

Porto Novo, 24 Nov (Inforpress) – O ministro Adjunto do Primeiro-Ministro para Juventude e Desporto, Carlos Monteiro, previu hoje, em Santo Antão, a criação, nos próximos dois anos, da base que vai definir o futuro do desporto em Cabo Verde.

“Temos que conseguir nos próximos dois anos criar a base que vai definir o futuro do desporto em Cabo Verde. Isso só é possível com uma reflexão, a nível de Cabo Verde, do desporto, para percebermos qual é o ponto estruturante a mudar de uma vez por todas”, notou o governante.

O ministro, que se encontrava reunido com as associações desportivas e juvenis do Porto Novo, no término de uma visita de três dias a Santo Antão, manifestou a disponibilidade de apoiar, neste âmbito, os agentes desportivos nesta ilha a reflectir sobre o desporto local, dentro de um contexto global.  

Durante a estada de Carlos Monteiro em Santo Antão surgiu a ideia de realização de um fórum sobre o desporto nesta ilha e o Governo, através do Instituto do Desporto e Juventude (IDJ) está disponível para apoiar na organização desse evento “para pensar o desporto”.

O ministro disse que, através do IDJ, está “disponível” para trazer a Santo Antão conferencistas internacionais para ajudar a reflectir sobre o desporto, desde que seja uma reflexão que tenha em conta a posição de Cabo Verde no desporto mundial.

Para “impactar as coisas localmente”, há que “pensar o desporto a nível global”, ou seja, “qual a posição de Cabo Verde no desporto mundial, o que é preciso para o desporto cabo-verdiano ter sucesso e o que é preciso fazer em Santo Antão para que a ilha seja parte fundamental do sucesso do desporto nacional”, explicou Carlos Monteiro.

“Chamo atenção que, hoje em dia, se quisermos transformar as coisas localmente temos que pensar a nível global, ou seja, qual a posição de Cabo Verde no desporto mundial, o que é preciso para o desporto cabo-verdiano ter sucesso e o que é preciso fazer em Santo Antão para que a ilha seja parte fundamental do sucesso do desporto cabo-verdiano”, sublinhou.

O IDJ vai apoiar a realização do fórum, mas que “seja algo feito para além daquilo que normalmente faz-se no dia a dia”, ou seja, reclamando a manutenção de uma placa desportiva, de arrelvamento de um campo de futebol ou de falta de um apoio financeiro, adiantou o ministro, para quem “isso não muda a paradigma do desporto em Cabo Verde”.

Para o governante, Cabo Verde precisa criar a base que vai definir o futuro do desporto nacional, que passa pela identificação, através de uma reflexão, dos problemas estruturantes, para que as coisas mudem de forma definitiva.

Carlos Monteiro referiu-se à questão do financiamento e de sustentabilidade como “um défice do desporto em Cabo Verde” e defendeu a necessidade “urgente” de se rever o estatuto do agente desportivo, que deve ser alargado a árbitros e técnicos, com vista a definir “algumas regalias” para aqueles que fazem o desporto, no País.

JM/CP

Inforpress/Fim 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos