Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Ministro dos Negócios Estrangeiros diz que CEDEAO “condena veementemente” o golpe de Estado no Mali (c/áudio)

Cidade da Praia, 20 Ago (Inforpress) – O ministro dos Negócios Estrangeiros disse que a CEDEAO “condena veementemente” o golpe de Estado no Mali, acrescentando que ainda hoje segue uma delegação da organização sub-regional para aquele país africano, a fim de contactar com os golpistas.

“Nós condenamos veementemente o golpe de Estado no Mali e pedimos a reposição da ordem constitucional [neste país]”, indicou Luís Filipe Tavares, que, em representação do Presidente Jorge Carlos Fonseca, ausente da Praia, participou na cimeira extraordinária de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), que se realizou, esta quinta-feira, por videoconferência.

O chefe da diplomacia cabo-verdiana, que falava à imprensa no final da cimeira, anunciou que uma delegação chefiada pelo mediador e antigo Presidente da Nigéria, Goodluck Jonathan, acompanhado de alguns ministros, segue para o Mali, a fim de contactar com os militares golpistas, com vista a encontrar uma solução.

Os Chefe de Estado e de Governo da CEDEAO, revelou o governante, depois da missão da delegação de Jonathan, voltam a reunir-se extraordinariamente na próxima semana para apreciarem o relatório que vai ser apresentado.

“A posição da CEDEAO é uma posição de firmeza em relação à condenação total do golpe de Estado e da alteração da legalidade constitucional [no Mali]” reiterou o ministro.

Instado se o facto de os golpistas se terem manifestado interesse a sentarem à mesa das negociações vai facilitar as conversações, Luís Filipe Tavares ressaltou que o princípio de golpe de Estado “é sempre muito mau”, acrescentando que “não se resolvem os problemas políticos pela via da força e das armas”.

“A CEDEAO tudo fará para que haja reposição da normalidade constitucional e instalação do Presidente IBK [Ibrahim Boubacar Keita] no poder, porque ele foi eleito democraticamente”, precisou.

Relativamente a um possível embargo ao Mali, Luís Filipe Tavares explicou que, a acontecer, haverá excepções, nomeadamente no concernente a combustíveis, bens de primeira necessidade, isto para “proteger as populações”.

Segundo ele, a CEDEAO tem tido um “papel muito importante na estabilidade política e social na sub-região, fazendo um “trabalho notável”.

“Hoje, assistimos a uma cimeira onde houve bom senso “e responsabilidade por parte dos Chefes de Estado e de Governo”, relevou, apelando à CEDEAO que continue firme nos seus propósitos porque, sublinhou, “nunca se pode aceitar que o golpe de Estado seja a via adequada para se resolverem problemas políticos”.

Os dirigentes da CEDEAO exigiram, ainda, a libertação imediata do Presidente, do primeiro-ministro e de todos os ministros depostos, que continuam detidos.

O presidente da Comissão da União Africana (UA), Moussa Faki Mahamat, condenou o golpe de Estado, apelando à CEDEAO, à Organização das Nações Unidas e “toda a comunidade internacional” para que “conjuguem eficazmente os seus esforços para evitar o uso de força” no Mali.

Por sua vez, o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, alertou que um golpe de Estado “nunca é a solução” para as divergências num país.

“A União Europeia acompanha de perto o que se passa no Mali. Um golpe de Estado nunca é a solução para uma crise, por mais profunda que seja”, escreveu Michel no Twitter.

Os Estados Unidos da América (EUA), através do seu enviado ao Sahel, Peter Pham, opuseram-se a qualquer mudança no Governo que não cumpra a Constituição maliana.

“Estamos a seguir com preocupação o desenvolvimento da situação no Mali. Os EUA opõem-se a qualquer mudança de Governo extra-constitucional, quer seja pelos que estão nas ruas, quer pelas forças de defesa e segurança”, escreveu Pham na plataforma Twitter.

Um dos catalisadores da actual crise política no Mali foi a invalidação, no final de Abril, de 30 resultados das eleições legislativas pelo Tribunal Constitucional, incluindo cerca de uma dezena em favor da maioria parlamentar.

A decisão, aliada a factores como o clima de instabilidade e insegurança sentido nos últimos anos no centro e norte do país, a estagnação económica e a prolongada corrupção, instigaram várias manifestações contra IBK.

O Mali é um país africano sem saída para o mar na África Ocidental. É o sétimo maior país da África. Limita-se com sete estados, a norte pela Argélia, a leste pelo Níger, a oeste pela Mauritânia e Senegal e ao sul pela Costa do Marfim, Guiné e Burkina Faso.

LC/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos