Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Ministro do Mar diz que Cabo Verde quer renovar frota e regulamentar bandeiramento de barcos para aumentar captura de peixe (c/áudio)

Mindelo, 17 Jun (Inforpress) – O ministro do Mar disse hoje que o Governo está a trabalhar num modelo misto para aumentar a captura de pescado, que passa por renovar a frota dos armadores nacionais e regulamentar o bandeiramento de barcos estrangeiros.

Paulo Veiga anunciou essas medidas em conferência de imprensa hoje, no Mindelo, para reagir sobre a derrogação temporária das regras de origem preferencial concedida pela União Europeia (EU) a Cabo Verde para exportar peixe por mais três anos.

Segundo o ministro, esta será, provavelmente, a última derrogação concedida ao País e a EU está disposta a ajudar Cabo Verde a encontrar crédito para renovar as embarcações nacionais para que os armadores cabo-verdianos tenham maior capacidade de captura e consigam ir para além da Zona Económica Exclusiva (ZEE)

O objectivo, segundo o ministro, é ter uma frota nacional com a capacidade para daqui dois anos e meio não voltar a pedir derrogação.

Mas, sublinhou, que se Cabo Verde não tiver embarcações terá que preencher essa falha fazendo o bandeiramento que interessa, até porque, lembrou que o País ainda não tem capacidade de pescar a sua quota de peixe estabelecida pela Comissão Internacional para a Conservação do Atum no Atlântico (ICCAT).

“Uma embarcação de um armador não cabo-verdiano, mas bandeirado em Cabo Verde quer dizer que terá tripulação cabo-verdiana e pescará na nossa ZEE ou noutra ZEE mas é Cabo Verde a pescar a sua quota”, clarificou o governante.

Segundo Paulo Veiga, o Governo também revogou a legislação que exigia que as embarcações fossem quase novas para a pesca e que não permitia aos armadores renovar a frota, estabeleceu um ecossistema para financiar armadores nacionais a melhorar as suas embarcações semi-industriais, para a instalação de frio, construção de novos barcos, e compra de equipamentos.

E ainda, acrescentou, vai iniciar uma negociação com a União Europeia para solicitar outros mecanismos que existem, que não sejam derrogação, e que são chamadas medidas de contingências, quando houver falhas.

“Aqui nós identificamos a nossa maior falha que é a falta de capacidade de captura. Com as mudanças climáticas e com outros efeitos podemos vir a ter anos em que espécies não passem por cá ou passem em menor quantidade e vamos ter sempre a necessidade de ter alguma contingência para que a nossa indústria transformadora de pescado e de enlatamento não tenha problemas”, explicou.

Sobre o impacto imediato da derrogação ora conseguida, Paulo Veiga disse que aumentou a exportação.

“Horas após a publicação da derrogação recebemos vários pedidos de certificado, que são emitidos pelo departamento da Inspecção Geral das Pescas, de contentores que não tinham sido exportados para União Europeia e que agora vão ser. Isso tem um impacto não só para as fábricas, que exportam, para a Enapor e para a economia”.

Segundo o director geral dos Recursos Marinhos, Albertino Martins, a necessidade de fazer o bandeiramento de barcos estrangeiros para aumentar a capacidade de captura também ajuda Cabo Verde a utilizar a sua quota de pescado e evitar que estas sejam transferidas para outros países que tenham maior capacidade de pescar.

É que, explicou, a quota estabelecida para Cabo Verde está à volta de 40 mil toneladas de tunídeos por ano, mas actualmente o país consegue capturar apenas 15 a 20 mil toneladas por ano.

CD/HF

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos