Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Ministro das Finanças exorta os municípios a terem uma governação focada na liderança e mobilização de recursos endógenos

Cidade da Praia, 25 Set (Inforpress) – O ministro das Finanças exortou hoje os governantes municipais a terem nos próximos tempos uma governação focada na liderança, criação de oportunidades e mobilização de recursos endógenos, visando aumentar a economia local e capacidade para investir no território municipal.

O vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças, Olavo Correia, lançou este desafio durante a sua intervenção sob o tema “Finanças locais: de onde vem o dinheiro para as obras autárquicas?”, na IV Universidade de Verão, um evento promovido pela Juventude para a Democracia (JpD).

Respondendo à questão do tema, o governante disse que o dinheiro vem sempre dos contribuintes, cabo-verdianos que são empresas ou particulares, através dos impostos, da dívida que o Estado central e o governo municipal podem contrair ou ainda através de parcerias internacionais.

Para Olavo Correia, para ter recursos, o país precisa de três pilares fundamentais, nomeadamente a liderança no plano nacional e local, a cidadania fiscal e formalização da economia.

Destacou a importância do poder local na promoção do desenvolvimento das economias locais, realçando que para garantir um sector privado local “forte”, melhor ambiente de negócio, promover o emprego, o turismo e formalizar a economia, é importante ter um poder local forte e que seja capaz de investir bem.

Alertou, no entanto, que tendo em conta o contexto da pandemia do novo coronavírus, os próximos tempos serão “difíceis” do ponto de vista orçamental e financeiro, para o poder central e local, reforçando que nos próximos três anos o país terá uma trajectória inversa, ou seja, terá menos recursos a serem disponibilizados para os municípios.

“Pensamos que a trajectória que iremos percorrer é uma trajectória de decréscimo do ponto de vista da nossa capacidade de cobrança de impostos, por isso, é preciso que sejamos muito criativos, quer do ponto de vista do Governo central, quer do ponto de vista do poder local, para aumentarmos a nossa base de tributação, dinamização da economia e uma boa gestão da base de tributação municipal”, afirmou.

Afiançou ainda que é fundamental que os municípios invistam na criação de oportunidades com infra-estruturas estruturantes, fazer uma transição de uma liderança do ponto de vista de obras, requalificação urbana, acessibilidade para a governação municipal focada na criação de valores, promoção dos talentos, criação de oportunidades e promoção do turismo.

De acordo com Olavo Correia, só através do aumento da dinâmica económica é que o país estará em condições de aumentar a base tributária, realçando, por outro lado, que a nível dos municípios, os mesmos devem conseguir garantir a formalização das economias para estarem no topo da capacidade de cobrança dos impostos.

Disse, por outro lado, que o Governo está a trabalhar no sentido de criar soluções e um novo quadro de relacionamento com os municípios de Cabo Verde.

CM/JMV

Inforpress/Fim.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos