Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Ministro classifica declarações de ex-PM de “populismo crónico, desonestidade intelectual, política e ética”

Mindelo, 16 Jan (Inforpress) – O ministro da Cultura apelidou hoje de “populismo crónico, desonestidade intelectual, política e ética” as afirmações de José Maria Neves de que a Agenda de Transformação, criada pelo seu governo, “continua a ser implementada mas, com outros nomes”.

Numa publicação na sua página do Facebook, o ministro da Cultura e das Industrias Criativas, Abraão Vicente, defendeu que “a máxima de gestores de topo, de gente séria e que sabe o papel de um processo de avaliação rigoroso e preciso diz que não se pode fazer o mesmo de sempre e esperar resultados diferentes”.

Por isso, destacou que, “além do populismo crónico, da evidente desonestidade intelectual, política e ética” das declarações do ex-primeiro-ministro, “há um evidente “desconhecimento dos processos por detrás dos modelos que estão a ser implementados pelo actual Governo” que, na sua óptica, “tem trazido resultados diferentes”.

Prova disso, segundo Abraão Vicente, é que “o país cresce cinco vezes mais, liderado por Ulisses Correia e Silva, e o desemprego atingiu “o ponto mais baixo nos últimos anos”.

Sobre a declaração de José Maria Neves de que a elevação da morna a Património Cultural Imaterial da Humanidade “deve-se à Cesária Évora que a levou aos palcos do mundo”, o ministro notou que o ex-primeiro-ministro “não percebeu” o que significa a classificação da morna para a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura  (Unesco).

“É dramático como, apesar das explicações da equipa técnica e do dossier ser púbico, que um ex-governante (ex-PM) ainda não tenha percebido o que significa a classificação da morna para a Unesco e na Unesco, não tenha compreendido os procedimentos da instituição e sobretudo não tenha compreendido que não foi a morna dos palcos, a morna música a ser classificada mas algo muito mais abrangente: a prática social”, escreveu Abraão Vicente.

Para o actual governante, as declarações de José Maria Neves são “um atestado de incompetência e um desrespeito pela equipa técnica que liderou o processo”.

A mesma fonte referiu ainda que “nem tudo é política” e que “ o populismo e a tentativa de tirar o mérito de quem conduziu o processo leva à ridicularização pública do ex-primeiro-ministro”, que, precisou, “demonstra desconhecimento total da matéria”.

Sobre a comparação do antigo fórum nacional de artesanato ‘Fonartes’ e a actual feira nacional de artesanato ‘Urdi’, o ministro da Cultura disse que é “como comprar uma viatura Toyota Starlet com uma Ferrari”.

CD/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos