Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Ministro da Administração Interna reage notícia de morte de policial com “consternação e preocupação” (c/áudio)

Espargos, 29 Out (Inforpress) – O ministro da Administração Interna, Paulo Rocha, reagiu hoje, no Sal,  à notícia da morte a tiro de um policial, na madrugada de hoje, na zona de Tira Chapéu, Cidade da Praia, com muita “consternação e preocupação”.

O governante falava à margem do acto de abertura da XIª Reunião dos Directores de Política de Defesa Nacional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, que decorre na ilha do Sal, e a que presidiu na manhã de hoje.

“O Governo e, particularmente, o Ministério da Administração Interna lamentam, profundamente, a morte de um efectivo nosso, um facto que muito nos chocou e continua a nos chocar”, exteriorizou, ajuntando, ser ainda “muito cedo” para tecer quaisquer comentários sobre o ocorrido.

Visivelmente abalado, Paulo Rocha disse, entretanto, tratar-se de um agente “exemplar, corajoso, muito conhecido e querido por todos os seus colegas, amigos e vizinhos”.

“Este é um momento de muita tristeza. A polícia está no terreno a tentar apurar a esclarecer tudo aquilo que se passou”, exteriorizou, informando que um indivíduo envolvido neste episódio “já terá sido detido pela polícia nacional”.

Mantendo-se atento nas próximas horas, conforme disse, acompanhando o desenrolar dos acontecimentos, Paulo Rocha sublinhou que é uma “grande preocupação” ver o perigo a que os efectivos da Policia Nacional estão expostos todos os dias.

“Ver a demanda em termos de exigências de trabalho, e ver o rumo que algumas decisões estão a tomar (…), nos preocupa. Não posso dizer que não. A nossa responsabilidade é proteger as pessoas, e para o fazer expomos os nossos efectivos a perigos diariamente”, analisou.

“Tenho a certeza de que a sociedade percebe o que estou a referir”, ponderou.

Hamilton Morais era referenciado como um bom agente e a sua morte está a ser lamentada na rede social pelos colegas, oficiais da PN reformados e pelas pessoas anónimas.

Informações não oficiais dão conta que o mesmo foi baleado na sequência de uma diligência.

Hamilton Morais fazia parte da unidade de piquete da PN e há alguns anos, numa emboscada para prender um delinquente, foi atingido na mão tendo perdido um dedo e hoje perdeu a vida.

SC/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos