Ministro considera primeira edição da feira uma oportunidade para alavancar as empresas cabo-verdianas e checas

Cidade da Praia, 22 Set (Inforpress) – O ministro da Indústria, Comércio e Energia afirmou hoje que a primeira edição da feira checa cabo-verdiana está alinhada com as estratégias de desenvolvimento de Cabo Verde e representa uma oportunidade para alavancar as empresas dos dois países.

Alexandre Monteiro fez estas considerações quando presidia a cerimónia de abertura da I edição da feira de empresas e empresários checos e cabo-verdianos, que arrancou hoje e termina no próximo dia 24, na Cidade da Praia.

“É com grande satisfação que recebemos esta primeira edição da feira de empresas e empresários checo cabo-verdianos. É um privilégio para Cabo Verde acolher esta iniciativa louvável tendo em conta a situação particularmente difícil que temos vindo a enfrentar”, declarou, salientando que Cabo Verde é uma porta aberta para a promoção do intercâmbio intercontinental devido a sua localização geoestratégica.

De acordo com o governante, o país está a neste momento a viver a sua fase da recuperação e relançamento económico, que, por sua vez, coincide com o momento de reconfiguração da cadeia de negócio no mundo.

Entretanto, reconheceu que para isso Cabo Verde precisa de cada vez mais investimentos e mais negócios e que, perante nova configuração da cadeia de valor global de bens e serviços em construção, mobilizar parcerias empresariais lá onde for útil e competitivo ocupar os passos nessa cadeia de valor regional e global em edificação.

Alexandre Monteiro asseverou, neste sentido, que a feira está alinhada com as estratégias de desenvolvimento social no país, está explanada no próprio lema do evento “Cabo Verde como a porta dos empresários checos a Africa” e visa reunir empresas e empresários de alto nível do mercado checo e cabo-verdiano com interesse em investir nos respectivos países.

Lembrou que o país beneficia de acordos de cooperação comercial propícia para ser uma porta de entrada no mercado africano, frisando que apesar dos constrangimentos logísticos ainda existentes de apoio ao comércio de bens e serviços entre Cabo Verde e o continente africano, o arquipélago ambiciona integrar a cadeia de produção de bens e serviços a nível regional.

“O facto de Cabo Verde ser um país aberto com uma boa localização estável, com baixos riscos sociais políticos, sanitários e secundários, ajudam a inserção do país em espaços económicos mais atractivos. Além disso, dispõe de alguns recursos naturais hoje estratégico para o seu desenvolvimento”, reforçou, considerando que as economias azul e verde são importantes aceleradores da diversificação económica do país.

Alexandre Monteiro afiançou ainda que o Governo está comprometido em promover e apoiar iniciativas privadas e em criar as condições para o seu desenvolvimento, alertando, no entanto, que o país precisa de um sector empresarial forte, capaz de gerar emprego e ter um peso mais expressivo na geração e captação da riqueza nacional.

O evento conta com a presença de fabricantes checos de bombas de calor, condensadores, água de nascente embalada, vitaminas e moda feminina, e empresas ligadas a imóveis, construção civil, saúde, educação, finanças e outras áreas.

A feira conta com apoio de parceiros institucionais como as câmaras de comércio de Barlavento e Sotavento, Câmara Municipal da Praia, Cabo Verde TradeInvest, Feira Internacional de Cabo Verde (FIC), Câmara de Comércio da República Checa, e demais instituições.

CM/CP

Inforpress/Fim

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos