Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Ministério da Educação introduz neste novo ano lectivo ensino das TIC no Ensino Básico (c/áudio)

Cidade da Praia, 22 Jul (Inforpress) – A ministra da Educação e Inclusão Social informou hoje que 52 por cento (%) dos agrupamentos escolares estão cobertos com laboratórios tecnológicos e que este ano lectivo vão arrancar com o ensino das TIC no Ensino Básico.

Maritza Rosabal fez este anúncio à imprensa depois de ter presidido, na cidade da Praia, à cerimónia de abertura do ateliê para repensar a utilização das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) em educação em Cabo Verde, destinado a todos os professores e coordenadores da área das TIC dos agrupamentos de Santiago.

A disciplina das TIC tem sido leccionado no país desde 1996, mas, segundo a governante, tem sido destinado aos alunos do secundário como uma preparação para a entrada no Ensino Superior ou para formação profissional, entretanto, neste momento o ministério quer levar esta disciplina para o Ensino Básico.

Segundo informou, neste novo ano lectivo vão introduzir módulos de 30 horas no 5º e 6º de Ensino Básico, uma vez que até agora já foram instalados 44 laboratórios tecnológicos no país, o que significa que 52 por cento (%) da rede escolar, no que diz respeito ao agrupamento, está coberto.

“Estamos a desenvolver este processo e em 2 anos temos esses 52%, mas, sobretudo, temos de desenvolver os recursos humanos, porque às vezes podemos ter equipamento, como já aconteceu, e depois não termos os recursos humanos necessários”, disse, assegurando que vão continuar neste processo de mobilização de equipamentos para as restantes escolas e que este ano vão reforçar a gestão das escolas com novos equipamentos.

Ainda, informou, vão disponibilizar um pequeno pacote que vai permitir acesso aos alunos, das zonas mais isoladas e periferias, a Tablet.

Entretanto, segundo a ministra, o grande desafio não é só disponibilizar o equipamento, mas sim é saber como é que vão capitalizar esses equipamentos e como é que os docentes se vão apropriar deste novo paradigma que são as TIC na base para a vida, isto é, no EBI.

“Todo o mundo quando termina o oitavo ano de escolaridade tem que estar preparado e familiarizado. Estamos num contexto em que as crianças têm mais domínio como utilizadores do que os próprios docentes. Isto é um grande desafio porque é utilizar as tecnologias como uma ferramenta de produção de conhecimento e de desenvolvimento do processo de ensino aprendizagem”, salientou.

Durante este ateliê, em que todo o processo será acompanhado por técnicos da Universidade de Cabo Verde e da Universidade Jean Piaget, a governante espera que saia um quadro “mais claro, preciso e inovador” que os ajude a ultrapassar esses desafios.

Durante o encontro, cinco painéis vão ser apresentados, designadamente o painel da “transformação digital”, “a introdução das TIC modular”, “recursos educativos digitais, multimédia e recursos educativos abertos” e “novos paradigmas da gestão educativa” e no último painel far-se-á a apresentação do projecto de dinamização das TIC na educação.

O evento, segundo Alana Monteiro, directora do serviço de multimédia da Direcção Nacional e da Educação, visa orientar os professores e coordenadores das áreas de Tecnologias de Informação e Comunicação, através da prática a se apropriarem das inúmeras possibilidades que as TIC oferecem quando adaptadas e ajustadas a cada ambiente escolar.

Desse encontro deverá sair três produtos, nomeadamente um plano de formação TIC a nível dos agrupamentos e um plano de actividades que podem ser realizadas ao longo do ano, perspectivando uma literacia digital.

AM/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos