Ministério da Educação capacita professores em avaliação e rendimento de aprendizagem visando a melhoria da qualidade do ensino

 

Cidade da Praia, 13 Jul (Inforpress) – O Ministério da Educação considerou hoje de benéfico para a melhora da qualidade do ensino a capacitação dos professores na vertente avaliação e rendimento de aprendizagem dos alunos.

A constatação foi feita à imprensa por Artur Marçal, técnico da Direcção Nacional da educação (DNE) , à margem da cerimónia da abertura de uma acção de capacitação de dinamizadores pedagógicos das ilhas de Santiago, Fogo e Brava destinada a professores e a decorrer nas instalações da Escola Hotelaria e Turismo, durante três dias.

“A intenção é que os professores estivessem mais bem preparados para exercerem a sua autonomia em sala de aula e com maior controlo sobre suas condições de trabalho com os alunos. Por isso, no que respeita a avaliação, a perspectiva formativa vem responder ao que já se encontrava na lei de base”, disse.

A formação, explica o técnico da DNE, visa formar formadores que irão nos seus concelhos multiplicar juntos dos seus pares os conhecimentos adquiridos, razão porque os mesmos assinaram um termo de responsabilidade, assumindo contribui para a multiplicação de formação, tendo em vista a melhoria da educação.

“Esta acção de formação enquadra-se na preparação do próximo ano lectivo, em que irá haver algumas inovações, sobretudo, no primeiro e no quinto anos de escolaridade. Por este motivo, havia a necessidade de preparar os professores para trabalharem com a novas abordagens pedagógicas e metodologias”, indicou.

Relativamente às inovações, o técnico da DNE avançou que as novidades vão acontecer no primeiro e quinto anos escolar, com a introdução de novos programas e cadernos de apoios para os alunos.

No primeiro ano escolar, afirmou, vão ser introduzidas inovações na Língua Portuguesa, enquanto idioma segunda, Ciências Integradas e Matemática.

A Educação Artística e Cultural, informou, será dinamizada por um especialista da área, enquanto que a introdução de inovações no quinto ano será, sobretudo, nas disciplinas de Inglês e Francês.

Por sua vez, o professor da Universidade de Lisboa Mendes Fernandes disse que enquanto formador vai procurar partilhar os resultados da investigação realizada na sequência de observações e práticas escolares de professores.

“Com isso queremos consolidar a ideia de que a avaliação pedagógica, que ocorre nas salas de aulas,. podem ser um meio profundo e eficaz para a melhoria da aprendizagem dos alunos”, enfatizou.

De acordo com o formador, a partilha deve ser no sentido de que as aprendizagens dos alunos devem estar no centro do processo pedagógico, pelo que a avaliação tem de ser consistente com essa ideia das sociedades modernas e do mundo.

Ainda segundo o professor da Universidade de Lisboa, os sistemas educativos têm diferentes fases de desenvolvimento e a classificação é uma obrigação legal, que deve acompanhar os desafios actuais no sentido de uma avaliação não só para a classificação, mas também para a aprendizagem.

Já Isabel Fialho, do Centro da Educação da Universidade de Évora, o propósito da formação é de capacitar os professores não só pela melhoria das aprendizagens dos alunos, mas também pela forma como trabalham e ensinam nas salas de aulas.

A acção de capacitação acontece no âmbito da implementação do Projecto Educativo, que tem como finalidade a introdução de novos programas e novas disciplinas e que se materializa na mudança das práticas pedagógicas na sala de aula.

PC/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos