Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

“Gostaria de fazer minha carreira na rádio” – estudante de jornalismo Keiver Cardoso

Cidade da Praia, 13 Fev (Inforpress) – O estudante de Jornalismo Keiver Cardoso disse à Inforpress, no âmbito do Dia Mundial da Rádio, celebrado hoje, ter uma “paixão avassaladora” pela rádio e afirma-se certo de que gostaria de seguir carreira nesse ramo.

Para este jovem, a rádio é “um meio imprescindível” e que ao mesmo tempo dá gosto ouvir. “Ela faz parte do meu dia-a-dia”, reforçou.

“A rádio sempre foi o meu meio de comunicação preferido. Lembro-me ouvir relatos dos jogos do Sporting quando era criança. Emocionante!”, acrescentou Keiver Cardoso, completando que depois que começou a estudar Jornalismo pôde redescobrir como se faz e se vive a rádio.

“É literalmente uma paixão avassaladora. Com certeza gostaria de fazer a minha carreira na rádio”, afirmou esta fonte, quem já sabe que “o radialista é observador (…) detalhista”.

O que encanta Keiver Cardoso na rádio é o “imediatismo e a informação completa que é divulgada”.

Este interlocutor afirmou ainda que a rádio tem toda uma magia entre “desconhecidos”, ou seja, radialistas e ouvintes.

“É uma relação de confiança às cegas”, referiu.

Este estudante de jornalismo na Universidade de Santiago, disse não acreditar que a rádio esteja a perder terreno para a internet.

“Se calhar, a rádio como todos conhecemos, a rádio tradicional esteja (…) Creio que a rádio se adaptando à internet não ficaria para trás, pelo contrário, iria continuar a ser um dos meios de comunicação mais importante”, explanou.

Prosseguindo, Keiver Cardoso lamentou o facto de os jovens ouvirem cada vez menos a rádio.

“Infelizmente é uma realidade. Há que mudar alguma coisa e consciencializar-nos da importância vital deste meio”, sustentou.

Por outro lado, recordou o entrevistado, vive-se actualmente num “bombardeamento” constante de informação em diferentes medias.

“Tudo à nossa volta é frenético e não há tempo para pensar, reflectir e, por vezes, se esquece de como é bom ouvir um bom programa de rádio”, ajuntou.

Keiver Cardoso defendeu igualmente que a rádio, em Cabo Verde, continua a ser o “meio credível” e que isto se deve ao “excelente trabalho que se tem feito”.

“Já se deram passos significativos no formato online, no entanto acredito que falta mais, não é só colocar a transmissão via web e já está. É preciso criar uma rádio online, fazer o cruzamento de mídias com vista a atingir o maior número de ouvintes possível. Há muito que se aprender ainda, é preciso repensar a rádio”, finalizou.

O Dia Mundial do Rádio é comemorado a 13 de Fevereiro, em homenagem a primeira emissão de um programa da United Nations Radio (Rádio das Nações Unidas), em 1946. A transmissão do programa foi em simultâneo para um grupo de seis países.

A data foi criada e oficializada em 2011, pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO). O primeiro Dia Mundial do Rádio foi celebrado apenas em 2012.

GSF/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos