Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Membros da SCM vão passar a ser representados em “quase toda a África” – Solange Cesarovna

Cidade da Praia, 18 Jul (Inforpress) – A Sociedade Cabo-verdiana de Música (SCM) assinou, recentemente, na Tunísia, dezenas de acordos de reciprocidade com as Entidades de Gestão Colectiva Africanas (EGCs), permitindo a representatividade dos seus associados em “quase toda a África”, a partir de Agosto.

Num comunicado enviado hoje à Inforpress, a presidente da SCM, Solange Cesarovna, que está em Tunes(Tunísia), onde participou entre os dias 16 e 17, na reunião do Comitê Africano da CISAC (CAF), aproveitou a ocasião para celebrar contratos com as Entidades de Gestão Colectiva Africanas (EGCs).

“A SCM preparou e celebrou dezenas de contratos, baseando-se no modelo de contrato de reciprocidade mais justo desenvolvido pelo corpo jurídico do CAF, que visa acautelar as EGCs Africanas e os seus membros nas suas inter-relações, com as melhores práticas jurídicas e existindo agora um instrumento jurídico de ponta, eficaz e completo que, finalmente, une as EGCs Africanas”, disse.

Ajuntado que estes protocolos vão permitir que a SCM represente “mais centenas de milhares” de membros a partir de Agosto e que os membros da SCM sejam representados em “quase toda a África”.

Durante a reunião anual do Comitê Africano da CISAC, informou a mesma fonte, esteve em análise o plano global para o futuro das Entidades de Gestão Colectiva Africanas (EGCs), bem como o seu reposicionamento, o consolidar das discussões sobre uma plataforma única de documentação de obras musicais africanas e um licenciamento único para o digital.

Ainda esteve em debate, as resoluções em relação aos princípios a aplicar ao licenciamento da radiodifusão por satélite e a criação de um fundo de solidariedade especialmente dedicado às EGCs Africanas pela CISAC.

Para Solange Cesarovna, este é “mais um passo determinante” para a consolidação da missão da Sociedade Cabo-verdiana de Música no que toca à defesa do autor e músico cabo-verdiano além-fronteiras, onde o repertório cabo-verdiano é muito tocado.

Esta iniciativa, sublinhou, vai igualmente ao encontro do plano de actividades da SCM para o ano 2019.

AM/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos