Mecanismo de apoio a situações de catástrofe na CPLP vai ser aprovado na próxima reunião do conselho de ministros da Defesa

Cidade da Praia, 11 Abr (Inforpress) –O projecto de criação da força conjunta de intervenção e apoio para situações de catástrofe na CPLP vai ser aprovado na próxima reunião do conselho de ministros da Defesa da comunidade, afirmou hoje o CEMFA de Cabo Verde.

Esta foi uma das medidas saídas da 21ª reunião dos Chefes de Estado-Maior-General das Forças Armadas (CEMGFA) da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), que decorreu na Cidade Praia de 10 a 11 de Abril.

“Analisamos o documento sobre o mecanismo de respostas para situações de catástrofe que certamente será aprovado já no conselho de ministros de Defesa e estamos a aguardar só a posição de Guiné Equatorial”, avançou Anildo Morais, chefe de Estado Maior das Forças Armadas de Cabo Verde.

O responsável anunciou que Angola irá realizar os exercícios FELINO 2019, Portugal promove em setembro o colégio de Defesa e os próximos exercícios da série 2021/2023 acontecem na Guiné Bissau, mas caso não esteja disponível Portugal já assumiu realizar o evento.

Segundo Anildo Morais, a partir deste momento, Cabo Verde vai coordenar todas as actividades do fórum, dando seguimento às acções e questões que estão sobre a mesma, com foco no mecanismo de apoio a situações de catástrofes na CPLP.

“A Guiné Equatorial ainda não assinou este documento, sendo que existem aspectos que requer consultas e brevemente teremos as respostas deles”, concluiu.

Por seu turno, o major general comandante do exercito moçambicano, Izequiel Muianga, que falava em representação do Chefe de Estado-Maior-General das Forças Armadas da Defesa de Moçambique, destacou a importância da criação deste mecanismo de intervenção e apoio a situações de catástrofe na CPLP, tendo realçado que, caso estivesse activo a mesma seria muito útil no sentido de ajudar a coordenar as acções de apoio não só no seu país, mas em todos os países da comunidade em situações de catástrofe natural.

Adiantou que para apoiar as vítimas do ciclone Idai, que afectou Moçambique, cada um dos países deram o seu apoio, cada um ao seu tempo, medida essa que, no seu entender, teve um papel preponderante logo nos primeiros momentos que ocorreu a acção.

Na ocasião, considerou que a intervenção das forças armadas foi muito importante e tiveram um papel relevante nas acções a nível aérea, na recomposição das vias de acesso e da saúde militar, complementando as acções e trabalho das organizações não governamentais da Cruz Vermelha Internacional.

Durante os dois dias, os chefes de Estado-Maior-General das Forças Armadas (CEMGFA) da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) analisaram questões sobre a implementação do colégio militar da CPLP, o próximo exercício da comunidade, mecanismo da componente da defesa e da operacionalização sobre as situações de catástrofe.

A 21ª reunião contou com a participação de delegações Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

AV/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos