Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Mário Cabral descarta hipótese de se recandidatar à presidência da ACACV

Cidade da Praia, 31 Mar (Inforpress) – O presidente da Associação de Cinema e Audiovisual de Cabo Verde (ACACV), Mário Cabral, anunciou hoje que não se recandidata ao cargo, nas eleições previstas para Abril próximo.

“Não sou candidato e nem integro a nenhuma lista, mas apoio a futura direcção, porque entendemos que tem de haver continuidade do trabalho realizado até o momento”, disse Mário Cabral, cujo mandato, segundo ele, terminou hoje com a entrega de prémios do concurso “Nossos símbolos, educação para a cidadania”.

Para ele, neste momento não se pode andar para trás, pelo que o candidato que ganhar a próxima eleição tem o seu apoio em tudo em que for preciso.

“Tem que haver continuidade para mostrarmos que temos que transformar o cinema em algo rentável para os produtores”, lançou, acrescentando que o objectivo é o de ver as pessoas ligadas ao cinema e ao audiovisual a viver do seu trabalho.

Referindo-se ao momento da entrega dos prémios, que aconteceu esta quarta-feira, na sede da associação, Mário Cabral considerou que se trata de um “dia especial” para a ACACV, porque, afirmou, hoje completaram-se nove anos que a organização que ainda dirige está a trabalhar em prol do cinema e do audiovisual.

Lembrou os tempos em que a organização não tinha uma sede, o que obrigava os promotores a reunirem-se “nos bancos da rua”.

“Foi um percurso sempre em crescente”, admitiu, acrescentando que, hoje, sob a “pressão” da ACACV, o País tem uma lei do cinema, além de, recentemente, ter sido “aprovada a regulamentação”.

“Estamos a viver o melhor momento do cinema em Cabo Verde”, garantiu Mário Cabral.

O ainda presidente da ACACV revelou à imprensa que o concurso “Nossos Símbolos” foi realizado no quadro do 45º aniversário da Independência Nacional, assinalado a 5 de Julho passado.

Por causa da pandemia de covid-19, justificou, só agora os prémios foram entregues.

O primeiro classificado, Jean de Dieu Gomes, autor do filme “Símbolos Nacionais de Cabo Verde”, de São Vicente, foi contemplado com 200 mil escudos, mais um troféu em material acrílico, enquanto o segundo classificado José Correia, da Praia, com o filme “Identidade de um povo”, recebeu 150 mil escudos e um troféu em material acrílico.

O prémio do terceiro classificado, no valor de 100 mil escudos, foi para a dupla Georgina Fernandes e João Paulo Gonçalves, também da capital, que concorreram com o filme “Nôs Bandera Nôs Orgulho” e mais um troféu em material acrílico.

Mário Cabral vê estes prémios como uma “oportunidade para apoiar pequenos produtores” do cinema e audiovisual durante o tempo de pandemia.

Participaram no concurso quatro curtas-metragens, sendo duas da Praia e duas de São Vicente.

O prémio do primeiro lugar vai ser entregue, oportunamente, na cidade do Mindelo, por causa da pandemia, segundo Mário Cabral, que gostaria que participassem mais concorrentes no evento.

“Afinal, o concurso não é só ganhar dinheiro. Ganha-se também o curriculum, lançou Cabral, reconhecendo que cada vez que uma pessoa vence um concurso o seu nome passa a ser mais reconhecido.

Os prémios foram patrocinados pelo Governo de Cabo Verde, através do Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas.

LC/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos