Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Manifestações violentas no nordeste da RDCongo afectam combate ao vírus do ébola

Goma, RDCongo, 22 Nov (Inforpress) – As várias manifestações no nordeste da República Democrática do Congo (RDCongo), contra o massacre de civis na região, levou as autoridades a suspenderem as actividades dos centros de controlo de Ébola nas cidades de Beni e Butembo.

“Todas as nossas actividades estão em causa: sensibilização, vacinação, enterros seguros”, afirmou o chefe do Comité Multissectorial de Resposta ao Ébola (CMRE), Jean-Jacques Muyembe, garantindo que o trabalho não irá parar.

“Continuaremos presentes”, disse, citado pela agência France-Presse.

Polícia e exército congoleses recorreram a gás lacrimogéneo e tiros de aviso para dispersar os manifestantes que atacaram uma base de capacetes azuis à entrada de Beni.

Os manifestantes culpabilizam as Nações Unidas e as autoridades congolesas pela impotência face aos massacres atribuídos ao grupo armado das Forças Democráticas Aliadas (ADF, na sigla inglesa), que alegadamente matou mais de 60 civis na região desde o início deste mês.

No restante território congolês, as operações de combate ao Ébola, incluindo vacinação, decorreram com normalidade.
Jean-Jacques Muyembe adoptou uma posição mais moderada face à do Presidente do país, Félix Tshisekedi, que acredita ser possível erradicar a epidemia até ao final do ano.

“Nunca disse que o vírus foi erradicado, mas, sim, que está sob controlo. Actualmente, o número de casos diminuiu significativamente”, referiu o responsável pelo CMRE.

O médico explicou que as autoridades estão a acompanhar 10 casos novos por semana, uma redução face aos valores de Julho, quando este número alcançava os 90 casos por semana.

“Há esperança de que até o final do mês vamos controlar [a epidemia] “, reforçou, citado pela AFP.

A presença do vírus Ébola na RDCongo foi reconhecida no início de Agosto de 2018, pelo então ministro da Saúde, Oly Ilunga.

Desde então, este evoluiu para a segunda epidemia de Ébola mais mortífera de sempre, com 2.197 mortos devido ao vírus – 2.079 destes confirmados em laboratório -, de acordo com o mais recente relatório sobre a evolução da epidemia de Ébola, divulgado pelo Ministério da Saúde da RDCongo.

O documento, com dados de 20 de Novembro, diz haver registo de 3.296 casos de infecção (3.298 confirmados em laboratório) desde Agosto de 2018.

Desde o início da campanha de vacinação, em 08 de Agosto do ano passado, foram vacinadas 254.768 pessoas.

Quanto às manifestações, a imprensa local refere que estas se estão a intensificar durante a noite.

De acordo com o portal Actualite.cd, os manifestantes pedem o abandono do território pela missão das Nações Unidas na RDCongo, a MONUSCO, e dos seus capacetes azuis.

Inforpress/Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos