Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Manifestação na Malásia contra o governo apesar da proibição de reuniões públicas

Kuala Lumpur, 31 Jul (Inforpress) – Centenas de pessoas manifestaram-se hoje contra o governo na Malásia, apesar da proibição de reuniões públicas por razões de saúde, e exigiram a demissão do primeiro-ministro, politicamente enfraquecido.

Vestidos de preto, usando máscaras e mantendo uma distância segura uns dos outros, os manifestantes levavam bandeiras negras e cartazes onde se lia “governo falhado”.

O protesto foi a primeira grande manifestação na Malásia desde há vários meses, uma vez que as restrições sanitárias e os receios de contaminação têm sido um factor dissuasor para muitos.

A população está cada vez mais descontente com o governo, a forma como está a lidar com a pandemia – que está a progredir apesar do confinamento – e com as tentativas do primeiro-ministro, Muhyiddin Yassin, de manter a sua administração no comando.

“Estamos a lutar porque, enquanto as pessoas sofrem, este governo está ocupado a fazer política”, disse Karmun Loh, um participante no protesto no centro de Kuala Lumpur.

“Este governo (…) está a paralisar a economia e também a destruir a nossa democracia”, acrescentou.

Muhyiddin é “um primeiro-ministro muito mau”, disse Shaq Koyok, outro manifestante, para quem o chefe do governo “deve demitir-se”.

As forças policiais, em grande número no local, impediram os manifestantes de entrar numa praça central e o protesto terminou pouco depois pacificamente.

A manifestação contou com a presença de cerca de 1.000 pessoas, segundo os organizadores, 400, segundo a polícia.

A polícia disse aos meios de comunicação locais que os manifestantes, que violaram a regra que proíbe os comícios, seriam contactados para serem interrogados.

O primeiro-ministro chegou ao poder em Março de 2020 sem ser eleito, retirando o seu partido da então coligação governamental para se aliar ao partido Organização Nacional dos Malaios Unidos (UMNO), envolvido em escândalos de corrupção.

No início de Julho, a UNMO retirou o apoio ao primeiro-ministro e apelou para que se demitisse pela forma como lidou com a pandemia.

O regresso do Parlamento esta semana, após meses de suspensão imposta pelo estado de emergência sanitária, deixou o primeiro-ministro ainda mais isolado.

O estado de emergência sanitária do país, de seis meses, deverá terminar no domingo, mas o confinamento a nível nacional continua em vigor.

Desde o início da pandemia, a Malásia registou quase 1,1 milhões de casos de covid-19 e 8.800 mortes.

Inforpress/Lusa

Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos