Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Mais de metade dos países da África Subsaariana são regimes autoritários

Londres, 03 Fev (Inforpress) – A democracia na África Subsaariana deteriorou-se em 2020, com a maioria dos regimes da região classificados agora como “autoritários”, revela o Índice da Democracia 2020, hoje divulgado.

Elaborado anualmente pela The Economist Intelligence Unit, ligada à publicação britânica The Economist, o índice mede os níveis de democracia em 167 países e territórios.

A pontuação média dos 44 países subsaarianos avaliados caiu para 4,16 em 2020, contra 4,26 em 2019, sendo a mais baixa da região desde que o índice começou a ser publicado em 2006.

A África Subsaariana tem apenas uma “democracia plena” – as Maurícias – e seis “democracias imperfeitas”: Cabo Verde, Botsuana, África do Sul, Namíbia, Gana e Lesoto.

Outros 13 países estão classificados como “regimes híbridos”, menos dois do que no índice de 2019, com o Burkina Faso e Mali a descerem para a classificação de “regimes autoritários”, elevando para 24 os países com essa classificação na região.

Entre estes, estão os lusófonos Angola, Moçambique, Guiné-Bissau e Guiné Equatorial.

De acordo com o índice, o Burkina Faso e o Mali foram ambos despromovidos de “regimes híbridos” para “regimes autoritários” porque “nenhum dos governos tem controlo total sobre o seu território e a insegurança no Mali precipitou um golpe de Estado em agosto de 2020”, os militares a governarem o país desde então.

O Mali caiu 11 lugares a nível mundial, a segunda maior queda na região subsaariana a seguir ao Togo, que caiu 15 lugares em resultado de “eleições profundamente fraudulentas e repressão contra a oposição”.

A deterioração regional resultou também do declínio das pontuações relacionadas com o “processo eleitoral e pluralismo”, com a pontuação média regional deste critério a descer para 3,87 (4.01 em 2019).

As eleições disputadas na Tanzânia e na Guiné-Conacri levaram a que ambos os países piorassem no índice devido a irregularidades nas votações.

Como positiva é apontada a anulação e repetição das eleições presidenciais no Maláui, que empurrou o país cinco lugares para cima na classificação global.

O declínio na pontuação global da democracia em África em 2020 foi também impulsionado pelos bloqueios impostos no contexto da pandemia de covid-19, aponta o índice, considerando que tiveram um impacto negativo no critério “liberdades civis” (a pontuação da região caiu de 4,46 em 2019 para 4,23 em 2020).

De acordo com a análise da The Economist Intelligence Unit, houve uma estratégia de “aplicação implacável” de medidas de confinamento e recolher obrigatório em África, com vários países, como a Nigéria, o Quénia e o Senegal, a endurecerem ainda mais a repressão policial contra as populações.

“A dureza das restrições levou as pessoas a desrespeitá-las e houve protestos e motins em vários países, incluindo em alguns com uma história de participação política limitada, como o Uganda e Angola”, apontou.

“Em Angola, a agitação esteve também relacionada com o adiamento das eleições locais”, acrescentou.

No índice, são igualmente apontadas as restrições impostas à actividade política, “aplicadas de forma desproporcionada à oposição”, antes das eleições de Janeiro de 2021 no Uganda.

Um caso, que segundo a análise, ilustra como os regimes autocratas “usam a desculpa das novas ameaças como o coronavírus para reprimir a oposição e manter o poder durante um período de crise”.

Globalmente, a pontuação média dos 167 países e territórios caiu de 5.44 para 5.37, a pior pontuação desde a primeira edição do índice em 2006.

A grande maioria dos países – 116 de um total de 167 (quase 70%) – registou um declínio na sua pontuação total em comparação com 2019.

Apenas 38 (22,6%) registaram uma melhoria e os outros 13 estagnaram.

O Índice de Democracia da The Economist Intelligence Unit baseia-se na avaliação em cinco categorias: processo eleitoral e pluralismo, funcionamento do governo, participação política, cultura política e liberdades civis.

O índice traça o retrato do estado actual da democracia em 165 Estados independentes e dois territórios, classificando 60 indicadores numa escala de pontuação 0 a 10.

Com base na pontuação total, os países são classificados como um de quatro tipos de regime: democracia plena (pontuações superiores a 8), democracia imperfeita (pontuações superiores a 6), regime híbrido (pontuações superiores a 4) e regime autoritário (pontuações inferiores ou iguais a 4).

Inforpress/Lusa

Fim

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos