Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Mais de 900 pessoas prosseguem trabalho de limpeza após derrame de petróleo na Califórnia

Los Angeles, Estados Unidos, 09 Out (Inforpress) – Mais de 900 pessoas continuaram o trabalho de limpeza na sexta-feira ao longo da costa do sul da Califórnia, Estados Unidos, após o derrame de cerca de 570.000 litros de petróleo há quase uma semana.

De acordo com as últimas informações, as equipas de limpeza recuperaram quase 21.000 litros de petróleo bruto no Oceano Pacífico e cerca de 78.200 quilos de detritos petrolíferos da linha de costa.

Grande parte da recuperação de petróleo no oceano tem sido conseguido graças a mais de 4.200 metros de barras de contenção colocadas pelas autoridades nas águas ao largo da costa da Califórnia, de acordo com o Comando Unificado.

Para continuar a pesquisar a extensão do derrame, a Guarda Costeira programou cinco voos para sexta-feira, depois de completar quatro na quinta-feira.

O petróleo espalhou-se por uma área que cobre aproximadamente 33 quilómetros quadrados do Oceano Pacífico, de acordo com a última atualização oficial.

Enquanto a fuga de petróleo começou no sábado passado a partir de um oleoduto que transporta petróleo bruto da plataforma offshore de Elly ao largo de Huntington Beach, o derrame já afetou outras zonas costeiras, incluindo Newport Beach, Laguna Beach e Dana Point, todas em Orange County, a sul de Los Angeles.

“Para sua segurança, os residentes de Orange County são aconselhados a evitar qualquer contacto com petróleo visível nas praias”, disse o Comando Unificado numa declaração.

O grupo disse ter enviado várias equipas de avaliação a diferentes áreas do condado de San Diego, mais a sul, na sexta-feira, para procurarem sinais visíveis de petróleo.

Até agora, a fonte do derrame é desconhecida, mas as autoridades estão a investigar se uma âncora de barco poderia ter sido a causa , disse o presidente e CEO da Amplify Energy, Martyn Willsher.
Inforpress/Lusa/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos