Mais de 70 escolas estão a ser reabilitadas em todo o país com intervenção do tesouro e privados – ministra

 

João Teves, 25 Ago (Inforpress) – A ministra da Educação, Família e Inclusão Social, informou hoje que mais de 70 escolas no país já estão a ser reabilitadas, mas que até ao final do ano podem atingir 108, no âmbito do plano de reabilitação escolar.

Maritza Rosabal fez estas considerações no acto de inauguração de um jardim infantil e centro comunitário, na localidade de Covoada e de uma escola do Ensino Básico e Integrado, em Montaínha, no município de São Lourenço dos Órgãos, onde ainda visitou duas casas reabilitadas pela autarquia.

“Este ano já reabilitamos perto de 77 escolas, mas vão ser feitas outras intervenções em termos de tectos, de casas de banho e poderemos vir a atingir 108 intervenções ao longo de todo o ano “, disse.

Segundo a governante, para estas intervenções o fundo do tesouro disponibilizou uma verba de 94 mil contos, mas com o engajamento dos parceiros, como Bornefonden, Associação Apoio Iniciativas Auto Promoção Associações (SOLMI), a cooperação luxemburguesa, vão conseguir muito mais verbas.

No que concerne as inaugurações feitas hoje, em São Lourenço dos Órgãos, informou que foi graças a uma onda de solidariedade e de “djunta mó” entre a SOLMI, Feder-Órgãos, Câmara Municipal e o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social de Portugal que conseguiram executar esses projectos.

“Hoje, podemos vivenciar como é que a solidariedade social pode funcionar e ter resultados desde que todas as pessoas se envolvam. Vimos o resultado desses trabalhos, sobretudo na reabilitação das habitações que contou com o envolvimento até da comunidade (…), e isto, é um exemplo de solidariedade para ser seguido e implementado em outros municípios”, sublinhou.

Para o edil, Carlos Vasconcelos, essas inaugurações demonstram a atenção e a preocupação que a edilidade e as associações comunitárias dão para o bem-estar da população, pois, através dessa parceria conseguiram demonstrar que um “djunta mó” (solidariedade) trás mais-valia e mais qualidade de vida para a população.

“Pretendemos com tudo isso dar satisfação à população, aos nossos jovens e crianças que muitas das vezes tinham de percorrer algumas distâncias para terem acesso à educação, mas partir de agora eles têm uma escola na sua comunidade e ao seu dispor”, sublinhou.

Informou, por outro lado, que foram reabilitadas 36 casas em todo o concelho, no âmbito desta parceria com as associações comunitárias, e a SOLMI.

AM/FP

Inforpress/Fim

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos