Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Mais de 250 pessoas, entre as quais 62 crianças, vítimas de execuções selvagens na RDCongo

 

Genebra, 04 Ago (Inforpress) – Mais de 250 pessoas, entre as quais 62 crianças, foram vítimas de execuções selvagens entre Março e Junho na região do Kasai, centro da República Democrática do Congo, indica um relatório das Nações Unidas hoje divulgado.

O documento, segundo a Agência France Presse, foi elaborado por um grupo de investigadores do Alto Comissariado para os Direitos do Homem da Organização das Nações Unidas (ONU) e analisa os massacres étnicos na região de Kasai.

Entre as 62 crianças executadas, por agentes do Estado, milícias ou rebeldes, 30 tinham menos de oito anos de idade.

As execuções eram ou “extrajudicial” e cometidos por agentes do Estado ou cometidos por milícias de todos os lados e rebeldes, diz a ONU.

“O que é importante para nós é o número de execuções”, disse um porta-voz do Alto Comissariado.

As execuções ocorreram entre 12 de Março e 19 de Junho, indicou o Alto Comissariado em comunicado, sublinhando que a sua missão da RDCongo identificou “pelo menos 80 valas comuns na região”.

O relatório é baseado em entrevistas realizadas por investigadores a 96 pessoas que fugiram para a vizinha Angola, para escapar da violência em curso em Kasai.

“Os sobreviventes falaram dos gritos de pessoas queimadas vivas, de terem visto parentes seus caçados e abatidos e da sua própria fuga, aterrorizados”, disse o Alto Comissário para os Direitos Humanos Zeid Ra’ad al Hussein.

“Este derramamento de sangue é ainda mais aterrorizante pois parece que as pessoas são cada vez mais frequentemente alvo destes actos por causa da sua etnia”, acrescentou.

Em resposta, o Alto Comissariado enviou um “aviso sério” ao governo da RD Congo para “agir sem demora para evitar que esta violência resulte num processo de limpeza étnica em grande escala”.

Em Junho, perante o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas em Genebra, M. Zeid acusou as autoridades da RDCongo de armarem milícias, levando a “ataques horríveis” contra civis na região de Kasai.

Denunciou, em particular, uma milícia chamada Bana Mura, que liderou “ataques horríveis contra grupos étnicos e Lulua Luba”.

Em resposta, o Alto Comissariado decidiu enviar para a região uma equipa de investigadores para se reunir com refugiados que fugiram da violência. O resultado do trabalho desta equipa está traduzido no relatório hoje divulgado.

Lusa/Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos