Maio: Presidente da Comissão Especializada de Educação, Cultura, Saúde, Juventude, Desporto e Questões Sociais considera visita “frutífera”

Porto Inglês, 05 Abr (Inforpress) – A representante da 5ª Comissão, presidida pela deputada Maria Celeste Fonseca, do MpD, considerou hoje, quarta-feira, que a sua visita ao Maio foi bastante frutífera, porque lhes permitiu conhecer melhor a realidade da ilha.

Em declarações à Inforpress, no final de três dias de visita à ilha, aquela representante fez um balanço positivo da estada no Maio, realçando as “boas informações” recolhidas durante os contactos que mantiveram com as diversas instituições com responsabilidade na execução das políticas traçadas pelo poder executivo.

“Nós levamos boas impressão desta ilha, a que se tem chamado de ilha periférica e que tem de sofrer um abanão e deixar de sê-la, porque (…) tem potencialidades e todos se queixam disso. Por isso, é preciso passar desta ideia para acção, para a prática, se queremos efectivamente que o Maio também tenha o seu lugar ao sol, no concerto das ilhas de Cabo Verde”, frisou.

Celeste Fonseca adiantou que a escolha da ilha do Maio pela comissão parlamentar teve uma razão especial aquando da realização do plano para este ano, visto que a ilha, conforme especificou, tem pouca visibilidade, comprometendo-se por isso a ser “porta-voz de tudo que viram e ouviram”, para posterior transmissão aos decisores políticos

Aquela representante considerou que o Maio está “bem servido” em termos de infra-estruturais sociais, destacando os edifícios do Paços do Concelho, Delegação do Ministério de Educação, Centro de Saúde e o Liceu, que considerou ser um dos mais modernos do país.

A preocupação maior neste estabelecimento, explicou a deputada, era saber se existe “abandono escolar e que segmento lhe é prestado”.

Celeste Fonseca considerou ainda que foi um “sucesso” a palestra realizada terça-feira, sob tema “visão actual da violência e do abuso sexual na infância e na adolescência” e que teve como público-alvo estudantes, jovens, mulheres e funcionários de algumas instituições que lidam directamente com estes problemas sociais.

“A violência sexual é um problema e no o Maio, pelo menos a ideia que se tem passado é a de uma ilha com problemas, se calhar mais acentuados, devido talvez por causa da sua pacatez e pequenez. Daí, ficamos mais chocados, mais impressionados com os casos que vêm aparecendo, mas o ICCA, ao que parece, está muito interventivo e a recomendação que saiu é que todos devem ser interventivos”, advogou.

Celeste Fonseca admitiu ainda que o caminho a ser seguido deve ser um trabalho em rede, para que todos os intervenientes nesta causa possam partilhar as suas informações, de forma a se conseguir melhores resultados.

Neste particular, garantiu que todas as instituições contactadas demonstraram “todo o interesse” em trabalhar para este fim.

Durante a sua estada na ilha, a comitiva parlamentar realizou uma visita ao edil maiense, Miguel Rosa, bem como encontros com os responsáveis de algumas instituições do Estado sediadas na Ilha, para além de contactos com e ONG a como a Morabi, OMCV e Cruz Vermelha e com a população da vila da Calheta.

WN/JMV

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos