Maio: Pescadores aguardam com expectativa promessa do Governo em resolver o problema da escassez do gelo

 

Porto Inglês, 22 Jun (Inforpress) – Os pescadores na ilha do Maio aguardam com grande “expectativa”, a instalação, ainda neste mês, de duas máquinas de produção de gelo prometidas pelo Governo, como forma de resolver em definitivo este problema na ilha.

A falta de gelo para a conservação do pescado na ilha do Maio tem sido apontada pelos pescadores como sendo um dos principais constrangimentos no sector das pescas, sector considerado pela classe “estar votado ao abandono”, apesar da ilha ter grandes potencialidades.

Segundo o pescador Olavo Francisco Martins, a classe tem vindo a sofrer devido à escassez de gelo, há mais de cinco anos, apesar de em alguns períodos ter havido alguma produção de gelo na unidade da vila da Calheta, que na sua opinião foi “insignificante, visto que nem sequer produzia um mês a cada vez que foi reparada.

Olavo Martins explicou que durante todo este tempo a classe tem passado por vários constrangimentos, suportando prejuízos, situação que, segundo realçou, é extensiva tanto às peixeiras como à sociedade em geral na ilha, razão por que estão a aguardar com grande expectativa a instalação destas duas maquinas, prometidas pelo Governo.

Entretanto, indicou que os pescadores são de opinião em como uma das máquinas deve ser colocada na vila da Calheta.

“Neste momento uma boa parte dos pescadores da vila da Calheta está a pescar na zona de Laje Branca, porque ali tem estado a dar mais rendimento, mas têm que pagar o aluguer de uma viatura todos os dias para ir buscar o pescado, porque não há gelo, por isso é urgente a resolução deste problema”, frisou.

Enquanto isso, Martins avançou à Inforpress que os pescadores sugerem ao Governo que a gestão das duas unidades de produção de gelo seja feita pela associação dos pescadores local.

Sustentou, por outro lado, que a vila da Calheta não precisa somente de uma nova máquina de gelo, mas também de um posto de venda de combustível, tendo em conta que estão a ficar prejudicados com a devolução dos 7 escudos que pagam pela taxa de manutenção rodoviária, isso porque, “como são os condutores é que nos compram a gasolina, eles não colocam o nosso nome…”.

António Dos Reis, outro pescador local, comunga também da mesma opinião, e vai mais longe afirmando que situação é “péssima”, razão por que aguardam com alguma ansiedade que o cumpra com a promessa e consiga instalar ainda no final deste mês as duas maquinas de gelo, porque já começou a “época alta da pesca”, mas sem gelo não vão conseguir tirar proveito desta temporada.

Dos Reis aproveitou a ocasião para lembrar ao Governo e à Câmara Municipal, da necessidade de verem também para a questão da casa de abrigo dos pescadores em Porto Cais, “que está em ruína”, colocando em risco a vida de todos os seus utilizadores, tanto os pescadores da ilha do Maio como os que vêm da ilha de Santiago e procuram aquele porto para abrigo.

Na sessão parlamentar de Fevereiro, o Governo, através do ministro da Economia e Emprego, tinha dado garantias de que o problema da escassez de gelo na ilha do Maio ficaria resolvido até final do mês de Junho, com a instalação de duas máquinas de produção de gelo.

De acordo com o governante, as duas unidades de produção de gelo seriam adquiridas no âmbito de um projecto financiado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e pela União Europeia (EU), e deverão funcionar 24horas por dia, com a capacidade de produção de 200 toneladas de gelo, ficando os equipamentos instalados na cidade de Porto Inglês.

WN/FP

Inforpress/Fim

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
[wd_asp elements='search' ratio='100%' id=2]
    • Categorias

  • Galeria de Fotos