Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Maio: Pescadores “agastados” com sucessivas avarias na máquina de gelo pedem apoio ao Governo

 

Porto Inglês, 27 Mai (Inforpress) – Os pescadores maienses dizem estar agastados com “sucessivas avarias” na única máquina de produção de gelo existente na ilha, situada na vila da Calheta, e pedem a inervenção do Governo para resolver de vez este problema.

A falta de gelo para a conservação do pescado na ilha do Maio é apontada pelos pescadores locais como um dos principais constrangimentos no sector das pescas, que embora tenha grande potencial na ilha, a classe considera que está votado ao abandono e sem nenhuma política consistente para dinamizar esta actividade que emprega um número significativo de pessoas na ilha.

Segundo o pescador Olavo Francisco Martins, que falava à Inforpress, já lá vão mais de três meses que a unidade de produção de gelo da vila da Calheta está avariada, o que, na sua opinião, tem trazido “muitos constrangimentos e prejuízos” tanto aos pescadores como às peixeiras e a sociedade maiense em geral.

“Neste momento uma boa parte dos pescadores da vila da Calheta, da qual faço parte, está a pescar na zona de Laje Branca, porque é ali que está a dar mais rendimento, mas temos que pagar uma viatura todos os dias para ir buscar o nosso pescado, visto que não temos gelo. Caso tivéssemos gelo não era preciso fazer este gasto”, sustentou.

A mesma fonte considerou ainda que já é hora do Governo resolver de vez este problema com a construção de uma unidade nas imediações da praia de baxona, visto que a vila de Calheta é a maior urbe piscatória, e que esta unidade deve ser gerida pela associação dos pescadores local.

“A vila de Calheta não precisa apenas de uma nova máquina de gelo, mas também de um posto de venda de combustível, tendo em conta que estamos a ficar prejudicados com a devolução dos sete escudos que pagamos pela taxa de manutenção rodoviária, já que compramos a gasolina através dos condutores e esses não pedem a factura no nosso nome”, precisou.

Por seu lado, o pescador António Dos Reis disse que a situação que os pescadores estão a viver na ilha é “péssima” e para agravar a máquina de gelo, que esteve mais de dois anos avariada, foi reparada e voltou a avariar-se há mais de três meses “para desespero de toda a classe”.

“Pedimos uma intervenção urgente do Governo para resolver de vez esta questão”, apelou, justificando que está a aproximar-se a época alta de pesca e não querem perder mais uma oportunidade.

“Pedimos ainda ao Governo e à câmara municipal que tenham em atenção a questão da casa de abrigo de Porto Cais que está em ruína, porque está a colocar em risco a vida de todos nós que a utilizamos, tanto os pescadores da ilha do Maio como os da ilha de Santiago que procuram este porto para abrigo”, alertou.

De acordo com o Governo, na pessoa do ministro da Economia e Emprego, José Gonçalves, que respondia às perguntas do deputado do PAICV Fernando Frederico, na sessão parlamentar de Fevereiro, o problema de conservação do pescado na ilha do Maio deve ficar resolvido até final do mês de Junho, com a instalação de duas máquinas de produção de gelo.

O governante assegurou igualmente que as máquinas, que devem ser adquiridas no âmbito de um projecto financiado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e pela União Europeia, deverão funcionar 24 horas, com a capacidade de produção de 200 toneladas de gelo. Os equipamentos serão instalados na cidade de Porto Inglês.

WN/ZS

Inforpress/Fim

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos