Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Maio: Peixeiras formadas em transformação de pescado vão retomar produção com olhos em novos mercados

Porto Inglês, 18 Mar (Inforpress) – Um grupo de peixeiras da cidade do Porto Inglês, que recebeu formação em transformação de pescado, pretende retomar no próximo mês uma produção mais intensiva para abastecer a ilha e alcançar novos mercados.

A informação foi avançada à Inforpress por Andreia dos Santos Anes, que faz parte do grupo das mulheres peixeiras, que informou que neste momento já estão com alguma produção, embora em pequena quantidade, devido à pausa na produção inicial para dedicarem mais tempo à formação.

Mas, conforme afiançou, com o advento da captura do pescado na ilha nestes dias e que se perspectiva para os próximos tempos, vão ter mais produto disponível para trabalho, pelo que pretendem reiniciar com a confecção tanto de peixe fumado como em conserva, bem como produzir hambúrguer à base de peixe.

Para tal, o grupo composto por cinco mulheres peixeiras, todas da cidade do Porto Inglês, já dispõe de um espaço no antigo edifício onde se fazia a conserva de atum na ilha “devidamente equipado”, graças ao projecto financiado pela União Europeia, através do Instituto Marquês de Valle Flor (Portugal).

A mesma fonte lembrou que os seus produtos já foram apresentados em feiras realizadas na ilha, assim como na Cidade da Praia e em São Vicente, onde tiveram uma “boa aceitação” dos clientes, pelo que agora a intenção é produzir de forma “mais organizada” e colocar a produção também em outras ilhas.

Além disso, reforçou, no referido espaço vão passar a vender também hambúrguer aos clientes.

“Vamos também procurar alguma parceria para pudermos colocar o nosso produto em outras ilhas e estamos abertos a proposta”, notou, ressalvando que também estão a “apostar fortemente” na divulgação junto dos emigrantes.

Andreia Anes espera, por outro lado uma “boa procura” nos próximos tempos, devido à localização do espaço de comercialização, à beira do mar e local de passagem de muitas pessoas, inclusive turistas.

Com a abertura do mercado turístico e consequente desenvolvimento da ilha, perspectivou, esperam “vender mais” e levar o projecto avante.

WN/AA

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos