Search
Generic filters
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in excerpt
Filter by Categories
Politica
Desporto
Economia
Sociedade
Ambiente
Cooperação
Cultura
Internacional
Destaques
Eleições

Maio: Ilha vai ser coberta ‘brevemente” a 100 por cento com praças digital – NOSI

Porto Inglês, 13 Dez (Inforpress) – O presidente do conselho de administração da Agência de Regulação Multissectorial da Economia, Isaías Barreto, afirmou hoje que “brevemente” a ilha do Maio vai estar coberta na totalidade com praças digitais, estando neste momento a 90 por cento.

O presidente da ARME fez esta declaração durante a inauguração da praça digital no  quadro do projecto SV4D-CV, Aldeias Sustentáveis para o Desenvolvimento, que visa facultar o acesso à Internet em várias localidades e vilas na ilha do Maio, através do serviço wi-fi e cujo acto central decorreu na vila do Barreiro.

Segundo explicou Isaías Barreto, Maio está preste a ser a primeira ilha digital do país e da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), a ser coberta com praças digitais em todos os povoados, pelo que defendeu ser uma forma de combater a infoexclusão digital, possibilitando assim aos moradores terem mais acesso à Internet através do serviço wi-fi.

“Estamos a trabalhar e a mobilizar parcerias para que, efectivamente, possamos conseguir isso, acreditamos e queremos que esta ilha seja a primeira na CPLP a ser completamente digital e estamos a contar com a parceria de todos os parceiros/ para podermos lá chegar”, salientou.

Por seu lado, o representante da Associação Fraunhofer Portugal, Waldir Júnior disse que este projecto visa universalizar o acesso as tecnologias de informação e comunicação e trazer a conectividade as localidades que estão abrangidas nesta primeira fase com praças digitais.

“O segundo objectivo é promover o desenvolvimento do serviço digital, que ajudará melhorar a qualidade de vida dos cidadãos, onde o projecto foi implementado”, salientou.

Para o edil maiense, Miguel Rosa, este projecto vai ao encontro da visão que a edilidade tem traçado para ilha do Maio, de modo sustentável em que todas as pessoas fazem parte do seu processo de desenvolvimento, pelo que admitiu ser um meio para combater a infoexclusão digital, permitindo assim aos maienses terem acesso a conectividade com o mundo.

“Permite criar também um canal de mobilidade social ascendente e intergeracional de indivíduo, mas também um elemento que eu gostaria de frisar que é o facto da ilha do Maio ter uma diáspora significativa e isso vai permitir que as pessoas possam ter a possibilidade de conectarem de forma grátis com os seus entes queridos que vivem no exterior”, sublinhou.

Miguel Rosa defendeu ainda que, este projecto vai contribuir para elevar a literacia digital, permitindo assim que as pessoas possam vender os seus produtos e serviços ao resto do mundo.

“Há uma conspiração positiva e favorável em torno do desenvolvimento da ilha do Maio, e nós temos de aproveitar  deste momento”, enfatizou lembrando que falta somente 10 por cento para que a ilha possa estar beneficiada a 100 por cento com praças digitais.

O projecto conta com a parceria da Câmara Municipal do Maio, Agência de Regulação Multisectorial da Economia, Direcção-Geral das Telecomunicações e Economia Digital, RCTEL, NOSI, CV Telecom e Unitel T+.

WN/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos