Maio: Delegação do MAA diz-se preparada para a nova campanha agrícola

Porto Inglês, 11 Jul (Inforpress) – A Delegação do Ministério da Agricultura e Ambiente (MAA) no Maio está preparada para a nova campanha agrícola que se avizinha, tendo reunido todos os preparativos para dar combate ao surgimento de possíveis pragas.

A afirmação é delegada do MAA, Teresa Tavares, que, em declarações à Inforpress, garantiu que os preparativos estão a decorrer conforme o previsto.

Informou que a Delegação reuniu uma “quantidade significativa” dos equipamentos e acessórios para dar combate a um eventual aparecimento de pragas que normalmente atacam as plantações por ocasião do ano agrícola.

Na ilha do Maio tem-se registado, com regularidade, ataques dos gafanhotos e, nos últimos anos, a situação agudizou-se com o aparecimento da lagarta do cartucho-do-milho, o que, segundo a responsável, exige uma pronta reacção por parte da Delegação, razão pela qual já dispõe das pesticidas para o efeito, assim como de uma equipa preparada para em caso de necessidade.

“No ano passado foram formados 20 aplicadores de pesticidas e, caso houver eclosão de gafanhotos a uma densidade que compensa, vão ser recrutadas pela Delegação mais pessoas para fazerem tratamento nas zonas florestais e de pastagens”, salientou.

A responsável do MAA fez saber, por outro lado, que nos perímetros agrícolas esta tarefa cabe aos proprietários, mas estes vão ter todo o apoio e assistência técnica da Delegação, desde pesticidas como dos pulverizadores.

Relativamente a sementes, Teresa Tavares assegurou que vão estar disponíveis no mercado na próxima semana, cerca de dois mil litros, e a um preço “acessível”, por forma a permitir que todos os agricultores possam ter acesso às mesmas.

“Este ano vão ser vendidas a um preço simbólico. No caso do milho vai ser 50 escudos litro, feijão pedra 80 escudos e outros feijões a 100 escudos litro”, fez saber.

Questionada se a quantidade de sementes a ser disponibilizada no mercado vai ser suficiente para dar resposta à demanda, Teresa Tavares respondeu que sim, porque, segundo ela, é semelhante a do ano anterior, que foi suficiente para cobrir 600 agricultores da cultura de sequeiro.

No que tange à campanha de reflorestação, Teresa Tavares disse que à semelhança dos anos anteriores, a Delegação tem prevista para este ano fixar um total de 5.200 plantas, tanto florestais como forrageiras, tarefa que vai estar a cargo da associação para desenvolvimento comunitário de Alcatraz.

Informou ainda que deste total de plantas, a parte forrageira vai ser distribuída aos agricultores e nas zonas onde existe maior vocação para agricultura.

A delegada aproveitou para pediu aos agricultores para evitarem queimadas nesta altura e que respeitem as normas sanitárias durante a campanha agrícola, utilizando máscaras e mantendo o distanciamento físico.

Lembrou ainda que devem manter os animais confinados e que ao detectarem qualquer foco de gafanhoto ou outras pragas, que entrem em contacto com a Delegação.

WN/CP

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos