Maio: Centro de Dia vai acolher 60 crianças e adolescentes no período contrário às aulas em segurança – ICCA

Porto Inglês, 09 (Inforpress) – A Unidade Representativa do ICCA-Maio recebeu hoje o seu Centro de Dia, que vai atender 60 crianças e adolescentes, no período contrário às aulas, para actividades pedagógicas, educacionais, recreativas e socioeducativas.

Segundo a presidente do Instituto Cabo-verdiana da Criança e do Adolescente, Maria Livramento Silva, o referido centro vai apoiar as crianças, que normalmente estão na rua, a aprenderem mais com a parte lúdica, recreativa e educativa, num espaço em que vão estar em segurança com acompanhamento de técnicos especializados para o efeito.

Acrescentou ainda que, muitos pais não possuem condições financeiras para colocarem os seus filhos numa creche ou num jardim de infância, enquanto estão a trabalhar, razão porque alguns ficam na rua e podem correr vários riscos, pelo que o centro vai proporcionar-lhes momentos de aprendizagem e, ao mesmo tempo, serem cuidadas e em segurança.

Conforme avançou aquela responsável, para o efeito vão ser contratados pessoal de limpeza, uma cozinheira para confeccionar alimentos para essas crianças, bem como os cuidadores de infância que farão o acompanhamento nos períodos de manha e da tarde.

“O centro vai albergar 60 crianças, sendo 30 na parte de manha e as restantes na parte da tarde”, informou, acrescentando que, a partir de hoje, o referido centro vai estar em funcionamento e, neste sentido, afiançou que a Unidade do ICCA na ilha já conta com uma psicóloga e, brevemente, vão ser contratados um assistente social e cuidadores de infância que vão desempenhar estas funções.

Maria do Livramento, informou que para pôr o centro em funcionamento, o ICCA contou com a colaboração do Smile Kits, Fundação Maio Biodiversidade, bem como a Câmara Municipal do Maio, a Delegação do Ministério da Agricultura e Ambiente, da empresária Nanda Santori e da Associação Cadjetinha e entre outros.

Questionada sobre o aumento de denuncias de casos de abuso sexual na ilha, a presidente do ICCA frisou que realmente houve denuncias de casos, mas os mesmos vão ser analisados para se averiguar se realmente correspondem a verdade.

“Isso também prova que as pessoas estão mais sensibilizadas a denunciarem e muitas vezes o problema do abuso sexual é que as pessoas não denunciam e não fazendo isso não podemos agir, porque a nossa intenção é ter tolerância zero ao abuso sexual”, enfatizou.

Por seu lado, a vereadora de Inclusão Social da Câmara Municipal do Maio, Sandra Santos, reconheceu a importância deste centro para a ilha, que na sua opinião vai contribuir para que as crianças, que muitas vezes se encontram na rua, possam ter um espaço para aprenderem outras vertentes pedagógicas e terem um espaço onde podem estar em segurança.

“Ainda não temos crianças de rua, mas as vezes temos crianças na rua, porque os pais estão a trabalhar à procura de meios para dar-lhes mais condições de vida e mais educação, por isso este centro vai colmatar esta lacuna e servir de prevenção, uma vez que estamos a prever que a ilha venha a conhecer um desenvolvimento turístico e sabemos dos riscos que isso também poderá arrastar”, enfatizou.

WN/HF

Inforpress/Fim

 

Facebook
Twitter
  • Galeria de Fotos