Maio: Associações comunitárias consideram “positivo” projecto de intervenção em perímetro agrícola

Porto Inglês, 05 Mar (Inforpress) – As Associações Comunitárias de Calheta, Cascabulho e Morrinho consideram “positivo” o projecto que permitiu a limpeza de mais de duas dezenas de hectares de terrenos invadidos pelas acácias americanas no perímetro agrícola de Laje Branca.

Em conversa com a Inforpress, a vice-presidente da Associação para Desenvolvimento Comunitária da Calheta, Sílvia Tavares, uma das intervenientes neste processo, considerou que este trabalho, apesar de “ser extremamente difícil”, possibilitou a duplicação das suas acções, que inicialmente era fazer a limpeza de apenas 12 hectares.

De acordo com aquela representante, esta foi a primeira vez que as três associações desenvolveram um projecto em conjunto, pelo que considera ser uma experiência “benéfica”, já que, apesar de terem enfrentado alguns constrangimentos iniciais, conseguiram empregar 180 pessoas, sendo 47 mulheres chefes-de-família.

Adiantou que almejam dar continuidade ao projecto, tendo em conta que ainda falta muita área para ser contemplada, visto que muitos proprietários estão a solicitar a intervenção nas suas parcelas, lembrando que esta parcela foi no passado um dos maiores celeiros agrícola da ilha, mas com a salinização da água as pessoas deixaram de produzir no referido espaço.

“Seria benéfico se conseguíssemos mais financiamento para levarmos avante este projecto e acima de tudo, se conseguíssemos um financiamento para a instalação de uma dessalinizadora de água salobra para rega, tendo em conta que este perímetro possui muita água, mas que se encontra um pouco salobra. Para além disso abarca pessoas de várias localidades”, sublinhou.

As três associações fizeram hoje a apresentação à Delegação do Ministério da Agricultura e Ambiente do relatório final dos trabalhos realizados naquele perímetro agrícola que integra o parque natural norte da ilha do Maio, visto que o referido projecto foi financiado pelo Fundo Global para o Ambiente (GEF, na sua sigla em inglês), no quadro do projecto da Bio-Tur, no valor de cerca de três mil contos.

WN/ZS

Inforpress/Fim

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
  • Galeria de Fotos